Opinião – Os 3 grandes têm que ir às compras

Estamos no mercado de inverno, a única hipótese a meio da temporada para os clubes se reforçarem ou colocarem os jogadores que não têm espaço na equipa. Os três grandes de Portugal têm tido mercados muito distintos, do menos

O Benfica fez a sua maior contratação da época, investindo de forma surpreendente em Julian Weigl, (surpreendente pela sua vontade de vir para Portugal) colocando R.D.T de volta em Espanha pelo mesmo valor pelo qual o comprou, anulando praticamente o investimento falhado no jogador. Colocou também Gedson no Tottenham de Mourinho, dando ao jogador uma chance de crescer num campeonato competitivo, com a possibilidade de rentabilizá-lo por 50 milhões (que seria um belo negócio para as águias).

O Sporting está à beira de perder o seu maior ativo, Bruno Fernandes, com uma transferência iminente para o Manchester United, alegadamente por 60 milhões, com mais 10 em objetivos ou a troca de jogadores, é incerto. Acuña ainda tem bastante mercado e continua a ser alvo de interesse neste mercado, perspetivando-se uma possível venda, muito também por vontade do próprio jogador. Sporar é o principal alvo por agora dos leões, visando acrescentar as suas opções ofensivas, pois Luiz Phellype é o único ponta de lança puro nas opções de Silas.

Do lado dos dragões, Bruno Costa foi colocado no Portimonense, por falta de espaço na equipa principal, contudo, pouco mais se sabe sobre a atividade do clube no mercado de inverno. Marega continua a suscitar o mesmo nível de rumores que tem acontecido já há algumas janelas de transferência atrás, mas de resto, apenas o empréstimo de Marius ao CD Aves, outro jogador com poucos minutos sob Sérgio Conceição.

Uns mais do que outros, os três clubes precisam de colmatar algumas posições, com tipos de jogadores diferentes, eis as minhas sugestões.

Benfica:

Os encarnados são o clube mais ativo no mercado até agora, como já referi. Faltam colocar alguns jogadores, o caso de Fejsa, Zivkovic, talvez Samaris são os mais evidentes, pois são jogadores com pouquíssimos minutos até agora na temporada, perspetivando-se ainda menos no caso dos médios-centro com a chegada de Weigl e, possivelmente, Bruno Guimarães.

Jota começa a levantar questões sobre a necessidade de ser emprestado, tendo pouco espaço na equipa e dificuldades em agarrar num lugar titular. Com a saída de RDT, naturalmente que o ataque dos encarnados ficou mais “magro”, Seferovic e Vinícius são os únicos pontas de lança puros, Chiquinho é o dono da posição de segundo avançado, mas fora isso, apenas Rafa e Jota já foram utilizados de forma mais móvel no ataque, sendo ambos adaptações. Aqui, o Benfica precisa de alguém. Pessoalmente, sempre fui fã da ideia de trazer Nico Gaitán de volta à Luz, aos 31 anos, o médio argentino poderia ser uma excelente opção para ambos os flancos do ataque, tal como a posição ocupada por Chiquinho, por vezes mais ao estilo de um médio-ofensivo, que um segundo avançado. Porém, Bruno Lage já admitiu publicamente que não seria considerado para o clube, excluindo-se assim essa possibilidade.

  • Avançado móvel. Os encarnados deveriam apostar num avançado com alguma mobilidade e características diferentes das opções que já tem, faltando ao leque ofensivo de Lage um avançado ao estilo de Rodrigo, baixo centro de gravidade, veloz e pronto a atacar o espaço nas costas da defesa. Talvez não um jogador titular instantaneamente, mas sim com margem de progressão. Alguns nomes interessantes que representam o tipo de jogador a que me refiro são: Myron Boadu, uma das jovem promessas que apresentámos aqui no AMBIDESTRO, mas talvez caro demais; Emmanuel Dennis, atualmente no Club Brugge; Emmanuel Boateng, que representa o Dalian YiFang FC, mas já jogo pelo Moreirense e conhece o nosso campeonato. Estes jogadores servem mais personificar o perfil de jogador que sugiro, em vez de sugestões precisas para o clube, mas não deixam de ser opções interessantes.
  • Um extremo desiquilibrador. Rafa está recuperado e Cervi está cada vez melhor nos últimos jogos. Para além destes dois, Pizzi talvez esteja a meio da sua melhor época pelos encarnados, sendo o melhor marcador e “assistente” do clube. Para além destes três, Bruno Lage dificilmente poderá contar, com confiança, com alguém. Jota não consegue agarrar as oportunidades que lhe são dadas, mostrando muita vontade mas pouca maturidade, Caio Lucas está muito abaixo dos bons sinais que deu na pré-época e Zivkovic é a eterna incógnita que não joga. Aqui é preciso outra opção de qualidade, que dê profundidade às opções mais avançadas do meio-campo encarnado. Francisco Trincão tem sido muito ligado ao clube, nomeadamente numa transferência para a próxima temporada, mas também Ricardo Horta seria uma excelente opção. Aqui, é difícil exatamente que tipo de jogador contratar, sendo mais necessário que seja uma opção viável para dar profundidade às opções ofensivas-

Sporting:

Os leões precisam desesperadamente de contratar jogadores. As dificuldades financeiras do clube são sempre um grande entrave, porém, a transferência de Bruno Fernandes tanto cria um problema pela falta de um jogador da sua qualidade, como traz ao clube os fundos necessários para investir na equipa. As opções até podem ser razoáveis em algumas posições, mas sem Bruno Fernandes, muitos dos golos e assitências saem também e por isso, precisam de vir de outros jogadores.

  • Ponta de lança. O negócio de Sporar vai-se desenvolvendo de forma otimista para os leões, tendo alguma concorrência, nomeadamente do Celtic, mas são os favoritos à contratação do avançado esloveno. A confirmar-se, o problema do ponta de lança fica resolvido. Luiz Phellype é o dono do lugar, dando algumas garantias no que toca ao trabalho em campo e na sua boa movimentação (os golos não são o seu forte, ironicamente), sendo evidente a necessidade de ter concorrência para a sua posição. Tanto para aumentar o rendimento do brasileiro, como para dar outra opção de qualidade a Silas, sendo um jogador com um perfil goleador e com algumas características diferentes do atleta do Sporting. Creio que este negócio se irá completar, portanto escuso de fazer outras sugestões, ficando o plantel bem servido com Phellype, Sporar e Pedro Mendes.
  • Médio-centro/atacante. Aqui, a questão é complexa. A saída de Bruno Fernandes deixa um vazio do tamanho do estádio de Alvalade no meio-campo dos leões, no departamento ofensivo pelo menos. O 4-3-3 de Silas deverá manter-se, com Doumbia ou Battaglia a cobrirem as tarefas mais defensivas, Wendel como unidade de equilíbrio e um terceiro médio, Bruno Fernandes por agora, para aparecer em áreas mais ofensivas e chegar à área com golo. O Sporting precisa disso, um médio com propensão ofensiva e, acima de tudo, golo. Uma sugestão seria João Novais, médio do Braga, capaz de rematar com qualidade à distância e habituado a ser o médio mais ofensivo do miolo, sendo de momento um suplente no Braga, algo que não abona muito particularmente a seu favor, mas considero uma opção interessante. Dentro dos detalhes do negócio de Bruno Fernandes, Andreas Pereira é um dos principais nomes equacionados nas possíveis trocas de jogadores da trasnferência. Seria um bom substituto, com experiência em campeonatos competitivos e um foco mais ofensivo. Por empréstimo, resolveria o problema durante seis meses, mas em definitivo, seria um ótima escolha para a posição.
  • Lateral-esquerdo. Esta posição está sob a condicionante da possível venda de Acuña. O ala argentino volta a suscitar rumores de uma possível transferência motiva pelo descontentamento do próprio jogador, a quem tinha sido prometido um aumento pela sua permanência no clube. Borja é a outra opção, mas não dá a solidez necessária à posição, muito menos para ser a única escolha de Silas caso saia o argentino. Nomes como Rafa Soares e Anzai são opções que considero interessantes para o Sporting, porém, apenas será necessário reforçar este setor caso Acuña saia.

Porto:

Os dragões estão em vias de passar um mercado de inverno muito tranquilo, com algumas saídas de baixo perfil, sem contratações. Sérgio Conceição já afirmou ter confiança nos jogadores que tem, contudo, há alguma margem para melhoria, como é evidente pelo facto de que o clube já teve várias exibições abaixo de nível e estão atrás dos encarnados por quatro pontos no campeonato.

  • Médio-defensivo. Danilo Pereira é o dono e senhor da posição, capitão de clube e um dos maiores ativos ao serviço dos dragões. A parceria que tem com Uribe é eficaz mas com potencial para mais, de forma que não é necessário reforçar esta posição com jogadores imediatamente titulares. A questão aqui surge pela profundidade. Danilo já esteve fora durante uma parte significativa da temporada por lesão e a equipa ressentiu-se evidentemente com isso. Sérgio Oliveira é uma boa opção para a dupla de meio-campo, todavia, Loum não tem dado grandes confianças nas oportunidades que teve, surgindo a necessidade de fortalecer a posição, até com a perspetiva de futuro, pois os rumores da saída de Danilo não morrem, aponta-se para a saída do capitão no próximo verão. Um trinco relativamente jovem, capaz de entrar na equipa num futuro próximo e de aprender sob os seus colegas mais maduros seria ideal para Conceição. Pêpê do Vitória de Guimarães tem estado a ótimo nível esta temporada, formado pelos rivais no Seixal e habituado a segurar bem o meio-campo sob Ivo Vieira, que o tem desenvolvido de forma excelente nesta temporada. Aproveito para acrescentar também à “lista” Gustavo Assunção, do Famalicão e Stephen Eustáquio do Paços de Ferreira.
  • Lateral-esquerdo.  Alex Telles é dono e senhor do lado esquerdo da defesa. Contudo, o brasileiro é cobiçado por muitos clubes de topo europeus, perspetivando-se uma saída no futuro próximo. Para além disso, a sua alternativa neste momento é Wilson Manafá, uma adaptação visto que é um lateral-direito de origem, e não tem cumprido ambas as posições com grande qualidade até agora. Talvez seja útil mantê-lo pela polivalência, mas não se deve contar com ele para substituir um dos melhores jogadores da equipa. Aqui, o Porto seria inteligente em investir bem, num jogador jovem mas com talento, capaz de pegar no lugar assim que Telles saia, pois é mais provável do que fique. Sugiro jogadores como Owen Wijndal do Az Alkmaar, Ghislain Konan do Stade de Reims ou Jorge do AS Monaco, jogador que já foi ligado aos dragões anteriormente, naturalmente uma boa opção.

 

Todos os estes clubes têm margem de melhoria nos seus plantéis e o mercado tem pela frente duas longas semanas de transferências, com muitas novidades e especulação pela frente. A urgência para contratar jogadores difere imenso no que toca aos três grandes, mas cada um deveria aproveitar esta janela de transferências para atacar em força a segunda metade da época.

 

José Horta

Não nasci a gostar de futebol, mas quando comecei nunca mais quis outra coisa. Algarvio de nascença mas adepto do futebol para além daquele que se joga na praia. Sempre atento aos contornos e novidades do "Desporto Rei", "Beautifull Game" ou lhe quiserem chamar. Aluno universitário de Ciências da Comunicação na FCSH.