Banco de luxo dá goleada ao Benfica

Depois da derrota por 1-0 em Zagreb, era esperado um jogo sem facilidades, mas ao nível do Benfica, levando também em conta a presença de 47 mil adeptos benfiquistas nas bancadas do Estádio da Luz.

Bruno Lage promoveu algumas alterações no 11 inicial da sua equipa: Yuri, Zivkovic e Jota saltaram diretos para a equipa titular em detrimento de Grimaldo, João Félix e Jonas, que se sentaram no banco desde o início. Já o Dínamo, apresentou-se com a equipa na máxima força, tendo descansado alguns dos habituais titulares no jogo do passado fim de semana.

Estas mudanças levaram a que a ideia de jogo de Bruno Lage fosse mal executada, não criando oportunidades flagrantes na primeira metade do jogo. As águias tinham muita dificuldade em ultrapassar a organização defensiva do Dínamo de Zagreb e os erros da primeira mão repetiam-se neste segundo jogo. Pizzi foi o primeiro a encontrar o caminho para a baliza forasteira, rematando para defesa fácil de Livakovic, seguindo-se de um remate de Rafa que o guarda-redes da equipa croata também defendeu.

A primeira metade terminava e Bruno Lage viu-se obrigado a lançar todas as suas armas. Logo no começo da segunda parte, Yuri e Zivkovic saíram para entradas de Grimaldo e Jonas. Estas mudanças surtiram efeito e o Benfica entrou melhor na segunda parte: mais pressionante e mais subido na busca pelo golo que empatava a eliminatória.

Ao minuto 71, Jonas fez o primeiro golo da equipa da casa, com um belo remate à entrada da área, que não deu qualquer hipótese a Livakovic.

Apesar de todas as oportunidades de que o Benfica dispôs para vencer a eliminatória em tempo regulamentar, não o conseguiu fazer. Como tal, o jogo seguiu para prolongamento.

O jogo seguia a sua toada normal, com o Benfica com mais bola à procura de espaços, até que o improvável aconteceu. Ferro, defesa central de 19 anos, ajeitou a bola e enviou um míssil para a baliza forasteira, que se encontrava a cerca de 30 metros, dando vantagem ao Benfica pela primeira vez nestes oitavos de final. O Dínamo via-se assim obrigado a assumir o jogo e ir em busca do golo que lhe permitisse seguir em frente e que poderia ter aparecido ao minuto 97, por intermédio de Gojak, mas o bósnio acabou por falhar a baliza de Odysseas.

Ainda antes do intervalo do prolongamento, o Benfica arrumou a questão, graças a um golaço de Grimaldo, com um belo remate de fora de área.

Até final o resultado não se alterou e a equipa portuguesa vê assim confirmada a presença nos quartos de final da segunda competição da UEFA. A ida a prolongamento não deve é ter agradado nada a Bruno Lage, que tem tido dificuldade com a rotação da equipa, devido ao cansaço que esta tem vindo a sentir, e que terá um jogo importantíssimo para o campeonato em menos de 72h, frente ao Moreirense.

João Ferreira

Um jovem apaixonado por futebol que encontrou neste projeto a essência do seu verdadeiro amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.