Porto passa em Tondela e segura liderança antes do clássico com o Benfica

Tondela 0 – 3 FC Porto (Pepe 11’, Óliver 52’, Herrera 74’)

Antes do duelo com o Benfica, era importante uma vitória neste difícil encontro com o Tondela. Os Dragões vinham de dois empates consecutivos fora de casa e não iriam, de modo algum, permitir a aproximação dos rivais. Assim, entraram com toda a força e conseguiram, de uma maneira mais tranquila do que esperado, levar de vencido um Tondela que, em casa, vinha sendo um osso duro de roer para o Porto. Três golos sem resposta e três pontos na bagagem. Aconteça o que acontecer, os dragões sabem que serão líderes quando receberem o Benfica. Pelo meio, há um importante jogo com o Braga para a Taça de Portugal.

 XI do Tondela: Cláudio Ramos; Moufi, Ricardo Costa, Ricardo Alves, Joãozinho; Bruno Monteiro, Jaquité, Xavier, Sérgio Peña, Juan Delgado; Tomané.

XI do Porto: Casillas; Manafá, Felipe, Pepe, Alex Telles; Herrera, Óliver, Corona, Otávio; Adrián López, Fernando Andrade.

O Porto entrou forte e conquistou um canto logo no primeiro minuto de jogo. Desse canto, viria a resultar o primeiro lance de perigo, num cabeceamento de Felipe bem travado por Cláudio Ramos. Pepe ainda tentou a emenda, mas falhou o alvo. Não marcou à primeira, marcou à segunda. Uma série de ressaltos após um livre deixa a bola solta na área e Pepe, mais rápido do que os adversários, remata para a baliza para o primeiro golo da noite. 11 minutos, dragões na frente.

O Tondela tentava reagir, mas a forte pressão dos azuis e brancos não deixava os homens de Pepa chegar à baliza, pelo que se ficavam pela meia distância. Tomané ainda deu trabalho a Casillas, mas o guarda redes espanhol resolveu bem. Até ao intervalo, o Porto podia ter aumentado a vantagem por intermédio de Adrián e Fernando. No entanto, o golo não surgiu e o marcador manteve-se no 0-1.

Tal como na primeira parte, o Porto entrou na segunda a todo o gás e sem surpresa chegou ao segundo golo. Ricardo Costa alivia para a zona da meia lua onde surge Óliver, de primeira, a encher o pé e a fazer um golaço de levantar o estádio. Com 0-2, os dragões tinham o jogo controlado mas nem por isso deixavam de produzir a nível ofensivo e tentar alargar a vantagem.

O Tondela, que na segunda parte nem incomodou Casillas, não conseguia reentrar no jogo e isso facilitava a vida ao Porto, que começava a gerir o jogo de forma mais calma já a pensar nos próximos encontros. Aos 74 minutos, surge a machadada final. Otávio cruza da direita para o 2º poste onde surge Brahimi a tocar para trás para Herrera que, com um toque suave, encosta para a baliza e faz o 0-3. Foi o terceiro golo consecutivo do capitão, que faturou nos últimos três encontros do campeonato.

Até ao fim não houve muita história e o resultado manteve-se inalterado. Vitória justa e tranquila do Porto, que certamente será importante na preparação das próximas três partidas dos azuis (Braga, Benfica, Roma), todas no Dragão e fulcrais para o que resta da época.

Marco Pereira

Amante do desporto, respira futebol e considera-o uma das suas grandes paixões. É licenciado em Línguas Aplicadas pela Universidade do Minho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.