Liga dos Campeões: Prolongamento de loucos coloca João Félix e companhia nos quartos-de-final

O Liverpool precisava de vencer o Atlético para virar a eliminatória e até o conseguiu fazer no tempo regulamentar (1-0), mas após um prolongamento de loucos, que contou com um golo de Firmino, um de Morata e dois de Marcos Llorente, os campeões em título foram eliminados da Liga dos Campeões. João Félix e companhia passam à próxima fase.

Depois de ter perdido a primeira mão por 1-0 em Madrid, os reds tinham agora a missão de dar a volta à eliminatória em frente aos seus adeptos, em Anfield.

À semelhança do que havia acontecido na primeira mão, os detentores em título assumiram desde cedo a posse de bola, enquanto os colchoneros se mantiveram coesos e posicionados estrategicamente, à procura de oportunidades de lançar um contra-ataque.

Apesar da posse de bola estar maioritariamente entregue aos ingleses, a turma de Diego Simeone ia repetindo a fórmula que lhe permitiu vencer na primeira mão e exercia uma pressão muito alta no meio-campo defensivo do Liverpool, procurando algumas fragilidades dos adversários.

Por várias vezes o Liverpool esteve perto de marcar. Primeiro foi Oxlade-Chamberlain a testar Oblak, mas o guardião esloveno defendeu o potente remate do inglês. Ao minuto 36, após uma boa jogada coletiva, Firmino este perto de acabar a sua seca – não marca em Anfield há um ano – mas o antigo guarda-redes do Benfica estava atento e fez uma grande defesa.

É sempre boa altura para marcar, mas qualquer treinador deve gostar de marcar em cima do intervalo. Klopp teve isso mesmo. Ao minuto 43, Alexander-Arnold, Salah e Chamberlain combinaram muito bem na ala direita e o médio inglês foi até à linha de fundo cruzar tenso, para o coração da área. Aí surgiu Wijnaldum que com um potente cabeceamento bateu finalmente Oblak e empatou a eliminatória. 1-0 em Anfield e tudo em aberto até ao final.

Na segunda parte, apesar do Liverpool continuar com maior posse, o jogo ficou mais partido e as oportunidades foram surgindo com maior frequência. Afinal, estava tudo em aberto e qualquer um poderia fazer estragos nesta altura.

Ao minuto 59 Firmino foi novamente travado por Oblak, que não permitiu o avançado brasileiro acabar com a sua seca e logo no minuto seguinte Saul encontrou João Félix, que por esta altura era a única referência ofensiva após a saída de Diego Costa, e o avançado português rematou para uma boa defesa de Adrián – titular devido à lesão de Alisson.

A festa colchonera acabou por acontecer já para lá da hora, aos 90+3, quando Saul, após um livre de Lodi, empatou a partida. Contudo o médio estava claramente em fora-de-jogo e o lance foi prontamente anulado. FIndado o tempo regulamentar, esperava-nos agora o prolongamento.

Com ambas as equipas já bastante desgastadas, restavam agora 30 minutos de prolongamento para tentar dar fim a esta eliminatória. O Liverpool não mudou nada o seu estilo e entrou muito forte em busca do golo.

Apenas quatro minutos jogados e Wijnaldum fez uma grande arrancada pela ala direita do ataque dos reds. O médio holandês levantou a cabeça, descobriu Firmino e cruzou. Completamente sozinho na área, o brasileiro cabeceou e a bola embateu no poste direito da baliza de Oblak, mas caprichosamente foi diretamente para Firmino de novo, que, com tempo, encostou para o 2-0 e terminou a sua seca de golos em Anfield.

O jogo estava de loucos e com a confirmação que agora não existiriam grandes penalidades, os colchoneros foram atrás do prejuízo. Três minutos depois do golo inglês, Adrián fez asneira da grossa e afastou muito mal a bola, que acabou nos pés de João Félix. O internacional português avançou, deixou em Llorente, que tinha entrado na segunda parte, e o médio espanhol rematou cruzado para o fundo da baliza. 2-1 em Anfield, prolongamento de loucos, e era agora o Atlético que estava na frente da eliminatória.

Aos 102 minutos, Simeone tomou a decisão de tirar de campo João Félix, fazendo entrar Álvaro Morata. O português saía de campo com uma assistência que poderia ser decisiva.

Já em cima do intervalo do prolongamento, aos 104, Morata acelerou, conduziu o contra-ataque e encontrou Marcos Llorente à entrada da grande área. Com grande classe, o médio espanhol tirou Henderson do caminho e rematou colocado, sem quaisquer hipóteses para Adrian. 2-2 em Anfield e vida muito complicada para o Liverpool, que tinha agora 15 minutos para marcar dois golos.

Quando nada fazia prever, numa altura em que o Atlético apenas se limitava a defender e tentar sobreviver, um erro gravíssimo do guardião espanhol do Liverpool deu nova vida aos colchoneros que em apenas sete minutos marcaram dois golos.

Com 15 minutos para jogar, era agora a vez do Liverpool correr atrás do prejuízo e procurar marcar cedo para pressionar os colchoneros. Aos 108 minutos Mané caiu dentro da área numa disputa de bola, mas o juiz da partida mandou seguir para desespero dos da casa.

Nos 12 minutos que se seguiram, o Liverpool bem tentou tremer a eliminatória, mas o coração já era maior que a cabeça e nada mais os reds conseguiram fazer do que uma série de cruzamentos para a área. Van Dijk já era aqui um ponta-de-lança.

O pesadelo inglês não tinha ainda acabado e aos 120+1 o Atlético aproveitou a avalanche ofensiva e desorganização do Liverpool para fechar o encontro. Após uma boa combinação, Morata surgiu na cara de Adrian e não perdoou, fixando o 2-3 final.

Findado o prolongamento, os colchoneros acabaram por sair mesmo por cima na eliminatória vencendo no agregado das duas mãos por 4-2, passando assim à próxima fase da competição. Já o Liverpool, atual detentor em título, segue as pisadas do seu antecessor, o Real Madrid, que na temporada passada também foi eliminado nesta fase, na altura pelo Ajax.

Francisco Carvalho

Desde tenra idade que duas paixões me cativaram, desporto e a escrita, sendo a sua união o cenário ideal. Cedo percebi que com esforço e dedicação poderia juntar uma paixão a uma profissão, sendo o jornalismo a resposta. Numa geração onde a banalização e a desvalorização da informação são recorrentes, quero mostrar a relevância do mundo jornalístico em toda esta sociedade cativante que nos rodeia.