Ativo ou proativo?

Leitor, antes de começar propriamente este artigo, gostaria de deixar uma nota que me parecem ter relevância:
Em primeira, este será o meu primeiro artigo escrito para O Ambidestro. Espero que goste do que lê, até porque quero uma envolvência muito grande com os meus artigos e irá notar isso na minha forma direta de comunicar e tentar a sua participação. Como? Tentando sempre pôr-me desse lado e perceber o que eu gostaria de ler ou de como gostaria que algo estivesse escrito.

Posto isto, vamos entrar no artigo propriamente dito. Porquê a pergunta do título? Simples, refiro-me ao Benfica e ao seu mercado de inverno. Contratações sonantes, algumas saídas importantes, mas no fim, tudo na mesma. Será?

Vamos começar por analisar quais as movimentações:

Entradas:

Julien Weigl

Yony González

Dyego Sousa (E)

 

Saídas:

Raúl de Tomás

Gedson Fernandes

Lisandro López

Caio

Yoni González

Fejsa

Gérman Conti

 

Começamos por aqueles que nunca foram apostas esta época como Conti e Lisandro López. Conti esta época não fez um único jogo oficial pelo clube encarnado. Não contava e a solução foi sair, ainda que por empréstimo. Lisandro López já estava emprestado e foi vendido por 3M€ ao Boca Juniors (clube onde já estava emprestado).

Segue-se Yony González que foi uma oportunidade de negócio de um jogador que assinou livre, mas sem espaço para a segunda metade da época, foi emprestado a um clube brasileiro (Corinthians).

Já Caio foi um jogador que teve, a espaços, algumas oportunidades, mas não convencendo, saiu por empréstimo.

Fejsa, sempre muito acarinhado, optou também pela sua saída amistosa saindo por empréstimo para que pudesse jogar mais.

A partir daqui é que se complica mais. RDT, por muito que o Benfica queira branquear e até tenha tido lucro (mesmo que reduzido) com este jogador, a verdade é que não resultou em Portugal. Para ser colmatada a sua saída chegou Dyego Sousa por empréstimo como pronto socorro, para ocupar o lugar de RDT e na próxima época logo se vê.

Weigl tornou-se um jogador imprescindível para Lage desde que chegou e sem espaço no plantel, Gedson, uma das apostas e alegadas perolas da formação benfiquista, rumou a um dos grandes europeus em Inglaterra.

Estas foram as movimentações do Benfica no passado mês de janeiro. Olhando para a quantidade de transferências, claramente foram ativos. E proativos?

O Benfica vinha em crescendo na liga e ganhando vários jogos contra adversários que seriam na teoria mais fracos. O problema foi quando esta época teve que defrontar adversários com um plantel de qualidade idêntica ou superior e aí os números não ajudam. Apesar da distância pontual de 4 pontos sobre o principal rival, Futebol Clube do Porto, a equipa de Lage foi ineficaz nos dois jogos para a liga tendo duas derrotas (e foram as únicas até ao momento). Na Liga dos Campeões, num grupo equilibrado, o clube português acaba por ficar em 3º após 2 vitórias, um empate e três derrotas e 10 golos marcados, mas 11 sofridos.

Para fazer face a estes resultados, o Benfica investiu neste mercado em jogadores que até ao momento, na grande prova (jogo da 2ª volta contra o Porto) não surtiram efeito. Dyego Sousa e Weigl, que foram as grandes apostas para esta segunda metade da época não fizeram melhor que os seus colegas de posição e se do jogador luso-brasileiro podemos dizer que chegou há dias e ainda não teve oportunidade de se mostrar, Weigl ainda não acrescentou nada que pudesse dizer que justificava os 20M€ e que se superioriza-se a Florentino, que é aliás, mais uma aposta da formação que está tapada de momento pelo alemão de 24 anos.

A grande pergunta de milhões é se para fazer face a equipas de igual qualidade ou superior como numa competição europeia que o Presidente benfiquista tanto pretende, estas contratações foram acertadas. Segundo o site transfermarket.pt foi gasto 32,80M€ mas que na verdade ainda só se traduziu em zero golos e em novas opções, mas não de superior destaque das que existiam no plantel.

A competição europeia dará razão ao Benfica? É já no dia 20 deste mês, na Ucrânia que o Benfica defrontará o Shakhtar para a Liga Europa.

João Estanislau

Actualmente a frequentar uma Pós-Graduação em Marketing e Gestão do Desporto no INDEG-ISCTE, sou licenciado pelo Instituto Superior de Comunicação Empresarial em precisamente Comunicação Empresarial. Escrever sobre desporto sempre foi uma realidade para mim, nas minhas redes sociais e que pretendo agora partilhar contigo. Fica atento!