Futebol total e Neeskens interligam-se… Lembra-se de?

Johan Neeskens, é um jogador de futebol que marcou a década de 60.  Apesar de não ser um dos nomes aclamados da história do futebol, alcançou um reconhecimento dos jogadores daquela época e adeptos do Ajax e Barcelona.

É lembrado por ter uma grande capacidade física, fazem-se lembrar as desmarcações e os passes. Começou enquanto jovem jogador como lateral direito no Heemstede. E em 1970, foi rapidamente chamado para o Ajax numa equipa que começava a dar largos passos na escrita da sua história sobre os comandos de Rinus Michels.

Neekens, chegou num bom momento uma vez que, logo na primeira época conseguiu sagrar-se campeão na Copa dos Países Baixos, e para marcar com um feito ainda maior conquistou também a Copa dos Campeões da UEFA, em 1971 vencendo o Panathinaikos.

Encontrava-se a jogar no melhor clube da Europa, no “futebol total” do reconhecido Ajax, por não limitar os jogadores em posições fixas, o que fazia com que todos os jogos os jogadores pudessem não só surpreender os adversários como os adeptos. Algo que acabou por marcar não só uma década, como o clube e jogadores que o integravam.

Em 1970, estreou a sua camisola na seleção, depois do seu país não se ter classificado para a Copa do Mundo daquele ano. Apesar de não ser um avançado por natureza, também fazia golos em jogos decisivos como na fatídica final da Copa do Mundo de 1974, quando converteu um penalti ainda no primeiro minuto. O desfecho da história já é sabido, Alemanha Ocidental campeã, seleção holandesa com uma equipa extraordinária não levou a taça.

Após o sucesso do “futebol total” feito no Ajax, o treinador Michels rumou até ao Barcelona em 1971, e passados 3 anos Neeskens juntou-se ao trio sendo agora completo por Michels, Cruijff e o próprio pois fora pedido que a segunda vaga de jogador estrangeiro fosse preenchida por ele.

Por terras espanholas o sucesso demorou até ser reconhecido e só em 1978, passados 4 anos da chegada do mesmo, é que conseguiu levantar uma taça pelos blaugranas, uma Copa do Rei. Foi derivado da conquista da Copa do Rei que o Barcelona condeguiu disputar a Recopa Europeia, que era um torneio de interclubes europeu. A equipa de Michels conquistou o torneio numa vitória sofrida por 4 x 3 disputada com o Fortuna Dusseldorf, em que apesar de Neeskens não ter contribuído com golos foi destacado como um dos heróis do jogo.

O jogador era adorado pelos adeptos. Destacavam os fanáticos do Barça a leveza com que guiava a bola e dedicação dentro de campo. Contudo, desentendimentos com a direção fizeram com que o contrato terminasse mais cedo do que o previsto, algo que não agradou de todo aos adeptos.

Neeskens rumou até aos Estados Unidos da América para jogar no Cosmos, clube que já era bastante conhecido pela contratação de Pelé, em 1975. Por lá ganhou os Soccer Bowls de 1979 e 1980, permaneceu no clube até 1984 quando o clube faliu. A partir daí passou por outros clubes nos EUA e em pequenas equipas na Suíça acabando a sua carreia como jogador de futebol profissional aos 40 anos.

Neeskens, começou a sua carreia de treinador como técnico auxiliar de Hiddink na Copa de 1998, na qual a Holanda chegou às semifinais. Em 2000 saiu da seleção, tornando-se treinador do pequeno clube NEC Nijmegen levando-o pela primeira vez a uma competição europeia. É frequentemente chamado para ser assistente de comissões técnicas de outros técnicos holandeses ,como Guus Hiddink na Seleção Holandesa e Australiana e Frank Rijkaard na Seleção holandesa, no Barcelona e no Galatasary.

Mariana Lomba

Em 2018, ingressei no ensino superior para estudar Comunicação Empresarial, mas como nada nesta vida é garantido após um ano de estudo a minha faculdade encerrou. Agora, estudo Ciências da Comunicação e como o ditado diz "há males que vem por bem". A minha maior missão é prender-te a ti que estas desse lado ao ecrã. Será que vou conseguir?