Opinião: Violência por parte dos adeptos

O futebol desde sempre que trouxe ao de cima o melhor e o pior dos adeptos. Há quem saiba viver normalmente com o que o futebol traz à sociedade e há quem vá ao estádio por gosto próprio, como maneira de entretenimento e distracção.  Contudo, há o verso da moeda, também há indivíduos que para além de irem ao estádio por seu próprio gosto infelizmente não sabem estar.

Já há vários anos que em Portugal, e em outros países é discutida a segurança ou falta dela quando vários adeptos se deslocam do seu lar para o palco do futebol. Ou seja, já começa a ser questionado regularmente se ir a um estádio é seguro ou não. No estádio já foram pessoas mortas, adeptos e jogadores vítimas de racismo, já houve incêndios, foram lançadas tochas para o relvado, e há conflitos entre adeptos.

Recentemente, em Portugal nos jogos Benfica – Vitória de Guimarães, e Sporting – Porto ambos os encontros tiveram de ser interrompidos por lançamento de tochas para o relvado. Analisando esta atitude, seja de quem for, é completamente bárbaro no ponto de vista em que estes indivíduos não sabem estar, e parece que não pensam nas consequências que este tipo de atitudes podem estar adjacentes. Para além de quebrarem o ritmo de jogo, e de obviamente ser sancionatório para os jogadores que, consequentemente, ficam frustrados e perdem parte da sua concentração, para não falar que é extremamente perigoso. E também muito desagradável para os restantes adeptos que estão lá para assistir apenas a um espectáculo de futebol.

Associado a este tipo de atitudes que acabam também elas por ser meios de agressão, surgem também agressões físicas e verbais. A cada ida ao estádio a questão que é imposta a muitos adultos é: devo levar uma criança? Sabemos que muitas vezes tanto dentro do estádio, como no recinto do mesmo há muitos conflitos entre adeptos onde por norma há agressões físicas disparatadas. Também dentro do estádio parece ser algo inerente. Dentro dele ouvimos várias cânticos ofensivos e destrutivos para quem são direccionados. Num local onde deve ser de apoio aos jogadores e ao clube, onde também se pode festejar, estar alegre, e despreocupado com os problemas de lá de fora começa a ser visto como inseguro, e imprudente de ser visitado.

No meu ponto de vista, só há uma maneira de combater este tipo de situações. Tem de haver sanções direccionadas para os adeptos e não para os clubes. Todas estas atitudes vêm associadas ao pensamento e maneira de ser de cada pessoa e não do clube. Não é por um clube ser multado que este tipo de ações vão acabar. O ser humano está cada vez mais individualista e problemas que afetam somente o outro não interessam nem faz moça a outro alguém. O mesmo se aplica neste caso, o seu clube até pode ter sido afetado, mas se ele não for a próxima ação do mesmo género estará próxima de acontecer novamente.

Sugiro por isso, como adepta, que se comecem a dar sanções que penalizem o individuo por ele mesmo, pondo os olhos por exemplo nas autoridades inglesas e italianas que sancionam os adeptos que não se sabem comportar, sanções como por exemplo banir indivíduos que têm comportamentos agressivos, ou que causam o caos.

É necessário atuar  para que se possa como há anos atrás levar crianças aos estádios, para se poder ir calmo e sereno com a camisola do clube sem ter de olhar por cima do ombro. Para que se possa continuar a ir aos estádios sem pensar: ” De que dimensão será desta vez a desavença que irá haver?”.

Mariana Lomba

Em 2018, ingressei no ensino superior para estudar Comunicação Empresarial, mas como nada nesta vida é garantido após um ano de estudo a minha faculdade encerrou. Agora, estudo Ciências da Comunicação e como o ditado diz "há males que vem por bem". A minha maior missão é prender-te a ti que estas desse lado ao ecrã. Será que vou conseguir?