Previsão dezasseis avos da Liga dos Campeões

Definidos os confrontos entre as restantes 16 equipas da prova milionária, vejamos as possibilidades destes duelos épicos a ser disputados, com muita suposição e previsão à mistura!

  • Borussia Dortmund vs Paris Saint Germain

Um dos confrontos que provavelmente terá mais golos, considerando o poder ofensivo de ambas as equipas. O Dortmund continua na disputa pela liderança do campeonato alemão, com mais uma mão cheia de rivais nesta época, enquanto o Paris Saint Germain vê-se em territórios familiares e confortáveis, líder isolado do campeonato francês, confortavelmente. Os alemães têm uma espécie de estatuto especial nesta competição após serem finalistas em 2013, não podendo exatamente ser considerados um dos favoritos à conquista da prova, mas contam com presenças regulares nas fases a eliminar e conseguem criar dificuldades a qualquer oposição que lhes faça frente.

O conjunto parisiense continua na sua busca incansável pela cobiçada Liga dos Campeões que o investimento árabe no ínicio da década ainda não conseguiu garantir. Conseguindo segurar Neymar, Mbappé e acrescentando talentos como Icardi, Sarabia e Gueye, a profundidade está mais que garantida neste plantel de luxo. O fator diferencidador nesta eliminatória será a defesa.

Como referi, ambas as equipas estão imensamente preparadas no plano ofensivo, Mbappé, Sancho, Neymar, Reus, Cavani, Alcácer, Icardi, Hazard e Dí Maria são alguns dos protagonistas no “elenco” sensacional desta eliminatória. Contudo, o Paris Saint Germain conta com uma linha defensiva experiente, em oposição à juventude do Dortmund (mesmo com a contratação de Mats Hummels), beneficiando da adição de Keylor Navas, campeão da competição três vezes ao serviço do Real Madrid. Juntando um guarda-redes de topo a jogadores como Thiago Silva, Kimpembe, Marquinhos e Meunier, a tarefa fica muito mais difícil para o conjunto alemão. Haverão golos para ambas as equipas, mas serão mais para o conjunto de Thomas Tuchel (que volta à casa do clube que o lançou ao topo do futebol europeu).

Veredicto: Paris Saint Germain

 

  • Real Madrid vs Manchester City

Um duelo cabeça de cartaz no meio de tantos espetáculos incríveis. O regresso de Guardiola ao terreno dos seus antigos rivais e o primeiro teste de fogo do City nesta competição. O Real Madrid que procura reerguer-se após uma época passada desastrosa que os viu ser eliminados nesta fase da competição às mãos do sensacional Ajax.

Aqui, ambas as equipas têm algo a provar. O Manchester City vê cada vez mais longe os seus rivais Liverpool na corrida pelo título inglês, podendo Guardiola apostar a sua atenção plena na competição que já lhe escapa há nove anos, com muitos dos seus críticos a considerarem ser o seu ponto fraco enquanto treinador. O Real Madrid de Zidane está bem melhor que a época passada, liderando a La Liga com o mesmo número de pontos que os eternos rivais, Barcelona, conseguindo também uma qualificação sólida, 11 pontos na fase de grupos e esteve muito perto de vencer o Paris Saint Germain no Santiago Bernabéu (estava a vencer por 2-0 aos 81 minutos mas deixou-se empatar 2-2).

Uma época bem encaminhada, porém continua a não ser o Real Madrid dominante quando tinham Ronaldo e o caso Gareth Bale não ajuda a estabilizar o clube. Estarão verdadeiramente de volta? Aqui têm a sua chance de o provar. Um City fora da corrida do título em fevereiro pode finalmente fazer um assalto sério à glória europeia, mas precisa de reforços em janeiro. A linha defensiva está evidentemente debilitada, com as constantes lesões aos centrais e o médio Fernandinho a colmatar essa falha de forma razoável, mas não suficiente. Com centrais a chegar no mercado de inverno, o clube terá todas as condições para triunfar esta eliminatória, pois apesar da progressão dos madridistas, a equipa de Pep Guardiola tem uma rotinização superior e um nível de jogo muito elevado, mesmo não estando ao melhor nível das duas épocas anteriores. Com tempo, este Real poderia ser melhor, mas a provável adição de defesas aliada à concentração quase garantida nesta prova dará a vantagem determinante ao conjunto de Manchester.

Veredicto: Manchester City

 

  • Atalanta vs Valência

Um dos confrontos com menos mediatismo mas protagonizado por duas equipas com histórias de qualificação sensacionais. Estes “outsiders” chegam a esta fase da competição com apuramentos inesperados e apenas fechados na última jornada, por um ponto acrescente-se.

A Atalanta estava num grupo de “restos”, o Manchester City limpou completamente a oposição que não conseguiu apresentar argumentos para além de empatar duas vezes com os citizens, sobrando Atalanta, Dínamo Zagreb e Shaktar Donetsk na corrida pelo único lugar restante de qualificação nesta competição. Com três derrotas nas três primeiras partidas da fase de grupos, o cenário era negro para o clube italiano, porém, duas vitórias e um empate catapultaram a equipa para a qualificação com sete pontos, um a mais que o terceiro classificado Shaktar Donetsk. No caso valenciano, a equipa espanhola surpreendeu tudo e todos ao saltar duma improvável qualificação para a liderança do H. Na última jornada, a equipa de Albert Celades deslocou-se ao terreno dos líderes do grupo, Ajax, conseguindo o apuramento apenas com uma vitória, pois o Chelsea triunfara na diante do Lille. Por pouco, conseguiram, vitória por 0-1 graças a um golo de Rodrigo (ex-Benfica).

Assim cria-se este duelo de dois conjuntos mais felizes que o resto por chegarem a esta fase. Provavelmente um dos confrontos mais difíceis de prever, ambas as equipas estão em cenários semelhantes, na perseguição por um lugar na próxima edição da Liga dos Campeões, numa posição de atraso à forte concorrência (Atalanta a quatro pontos do quarto lugar, Valência a três pontos). O poder ofensivo de ambas as equipas é impressionante, Zapata, Muriel, Gómez e Ilicic do lado dos italianos e Rodrigo, Guedes, Gameiro e Maximiliano Gómez do lado dos espanhóis. Vejo a diferença aqui no facto de ambas as equipas estarem em pontos da época tão semelhantes, contudo, uma equipa sem alguns jogadores chave, o Valência. Este conjunto não pode contar neste momento com Gonçalo Guedes, dos melhores da equipa, Jasper Cilessen, o guarda-redes titular, Kévin Gameiro, experiente avançado com provas dadas em Espanha e Kang-in Lee, um dos jovens mais promissores da liga. A Atalanta conta com praticamente todos os seus jogadores neste momento, de tal modo que com o regresso dos seus jogadores, o Valência terá mais argumentos para ultrapassar a equipa de Gian Piero Gasperini.

Veredicto: Valência

 

  • Atlético Madrid vs Liverpool

Os homens de Jurgen Klopp voltam ao estádio onde foram tão felizes na final da edição passada da competição, para desagrado de Simeone, que enfrenta uma das equipas em melhor forma do último ano e meio na Europa. Ambos os treinadores sabem imprimir nas suas equipas um ADN de combate, espírito de entrega e dureza. O treinador argentino direciona mais as suas estratégias para a defesa, enquanto o alemão utiliza a pressão para chegar ao ataque com qualidade. Duas equipas com possibilidades de vencer qualquer conjunto que lhes chegue à frente na Europa, defrontando-se em momentos de forma muito diferentes.

O Liverpool está a voar na Premier League, 10 pontos à frente do segundo classificado Leicester City, vencendo o seu grupo por um ponto de vantagem diante do Nápoles. O Atlético Madrid está em quinto lugar do campeonato espanhol, sete pontos atrás da liderança, objetivo firme do conjunto colchonero, chegando a esta fase da competição via segundo lugar no grupo que a Juventus venceu.

As expetativas eram muito altas para o conjunto de Diego Simeone face ao investimento feito no plantel nesta temporada e na chegada de várias caras novas ao clube (sendo o destaque principal o “Golden Boy 2019” de 120 milhões, João Félix). A época não está a correr exatamente como esperado à equipa de Madrid, tendo o pior ataque das top 13 equipas da La Liga, com exibições abaixo do esperado para um clube candidato ao título. A qualidade defensiva continua lá, têm a melhor defesa do campeonato, mas o futebol praticado parece, francamente,  insuficiente para quebrar defesas de topo. O que é precisamente aquilo que o Liverpool tem.

Klopp criou uma dinâmica ofensiva invejável com o seu tridente Salah, Firmino, Mané, apoiada por um meio-campo trabalhador e rigoroso nas suas funções. Nas últimas duas épocas, especialmente com a contratação de Virgil Van Dijk, o treinador alemão começou a desenvolver uma defesa de topo mundial, aliando ao excelente central holandês os laterais Robertson e Trent Alexander-Arnold. Assim, faz-se uma equipa completa, equilibrada e, acima de tudo, eficaz. Esta equipa tem uma mentalidade incrível, recuperando uma desvantagem de 3-0 diante do Barcelona nas meias finais da edição passada da competição para vencer 4-3.

Esta equipa é, de forma um pouco superficial mas com um fundo de verdade, aquilo que o Atlético gostaria de ser, na sua melhor forma. Consistente em todas as suas vertentes de jogo e extremamente eficientes. Sem grandes dúvidas, o Liverpool deverá ultrapassar o conjunto espanhol, seguindo a sua procura pela sétima conquista da prova milionária.

Veredicto: Liverpool

 

  • Chelsea vs Bayern Munique

A reedição da épica final de 2011/2012, com duas equipas muito diferentes desse tempo. Frank Lampard capitaneou o Chelsea nesse jogo em Munique, estando agora no banco da formação londrina, esperando vencer o conjunto bávaro novamente. A tarefa será difícil. O Bayern Munique passa por tempos conturbados com o despedimento de Niko Kovac e o início da estabilização do substituto interino, Hans-Dieter Flick.

Nos últimos anos nunca houve uma corrida ao título alemão tão competitva, com cinco pontos a separar as primeiras cinco equipas (o Bayern encontra-se na terceira posição, quatro pontos atrás dos líderes RB Leipzig). Pela positiva, os alemães tiveram uma campanha europeia brilhante, vencendo todas as partidas do grupo, muito pela excelente forma de Lewnadoski, marcou 10 golos (!), tal como alguma facilidade pela oposição que defrontaram, Estrela Vermelha, Olympiakos e um Tottenham em transição após substituir Pochettino por José Mourinho).

O Chelsea vê-se numa constante aventura nesta temporada, após uma interdição de inscrever jogadores no mercado de verão, a direção confiou no herói da casa, Frank Lampard, apenas no seu segundo ano como treinador, e nos jovens da formação que têm emprestado intensamente nos últimos anos. A aposta tem dado frutos, o Chelsea está em quarto lugar na tabela, apenas seis pontos atrás dos bicampeões Manchester City e passou em segundo lugar no grupo da Liga dos Campeões. No momento de publicação deste artigo, o Chelsea vem de duas derrotas consecutivas na Premier League que ilustram precisamente o ponto fraco desta equipa. A inexperiência. Estes jovens certamente têm imenso talento, nomes como Mason Mount, Tammy Abraham, Christian Pulisic e Fiakyo Tomori, porém o grande volume de atletas pouco experientes no alto nível de competição nota-se em momentos como este que referi e provavelmente será uma fraqueza dos blues na eliminatória de fevereiro. Felizmente para Lampard, o Chelsea pode fazer contratações no mercado de janeiro e fortalecer a sua equipa em setores que é urgente reforçar, como é o caso do lado esquerdo da defesa. Talvez com algumas aquisições cirurgícas, esta equipa tenha mais chances de ir longe na competição, mas considerando o desgaste que os clubes ingleses sofrem pelo volume de partidas que disputam no inverno, o Bayern ganha favoritismo. Os clubes alemães descansam durante esta altura, e uma frente de ataque Lewandoski, Coutinho, Gnabry e Perisic será demasiado para os homens de Lampard, especialmente sem contratações.

Veredicto: Bayern Munique.

 

  • Lyon vs Juventus

David contra Golias. Só que neste caso David perdeu a sua pedra, Depay lesionou-se e estará indisponível o resto da temporada, pondo até em risco a sua participação no Euro 2020. A Juventus parte para esta competição com a ambição máxima e o devido investimento para ser considerada uma das equipas favoritas a ganhá-la. Maurizio Sarri está a demorar a implementar plenamente as suas ideias de jogo dentro do conjunto da Vecchia Signora, notando-se alguns problemas nos processos ofensivos e na qualidade de jogo. Porém, mesmo sem uma consolidação plena das suas ideias de jogo, o treinador colocou a Juventus na liderança do campeonato italiano, a par pontualmente com o Inter, e venceu o seu grupo da Liga dos Campeões, ultrapassando o Atlético Madrid.

São vários os argumentos para acreditar que a Juventus conseguirá vencer esta eliminatória sem grandes dificuldades, o Lyon tem tido uma época instável, qualificou-se para os dezasseis avos por apenas um ponto no segundo lugar do Grupo G e encontra-se na oitava posição da liga francesa, claramente uma desilusão para as ambições do clube. Já vão no segundo treinador da época, atualmente Rudi Garcia e apesar do plantel ter alguns jogadores com perspetivas excelentes de futuro, como Dembélé, Aouar, Toussart, a estrela da equipa, Memphis Depay, marcou em cinco dos seis jogos da fase de grupos, está ausente por lesão. No futebol não há nada de garantido, mas olhando para a vasta quantidade de jogadores que a Juventus tem para gerir as competições em que participa, aliando à possibilidade de uma maior consolidação dos planos de Sarri, fica difícil dar uma chance ao conjunto francês.

Veredicto: Juventus

 

  • Tottenham vs Leipzig

José Mourinho vai à conquista da Europa novamente, desta vez com o Tottenham, e o RB Leipzig é o primeiro adversário no caminho do conjunto inglês. Os líderes do campeonato alemão venceram o seu grupo, deixando para trás boas equipas como o Zenit, Lyon e o Benfica, entrando neste restrito lote de 16 equipas como um verdadeiro underdog. Contudo, há muito que se diga a esta equipa alemã e razões fortes para acreditar que podem ir longe na competição. O argumento mais óbvio a favor dos alemães é a sua liderança da liga alemã. Esta época tem sido caótica na liderança da Bundesliga e de momento, cinco equipas estão fortes na corrida ao troféu.

O Leipzig, em igualdade com o Borussia Monchengladbach, está na frente com 34 pontos. O plantel relativamente jovem conta com talentos bem afirmados como Timo Werner, Forsberg, Mukiele, Upamecano e Poulsen. Uma equipa habituada a comprar jovens e desenvolvê-los, o Leipzig está claramente a colher os frutos que semeou com o plantel que tem neste momento. Do lado do Tottenham, Mourinho teve uma boa entrada, venceu o Olympiakos na penúltima jornada para garantir o apuramento e rodou o plantel diante do Bayern Munique, perdendo por 3-1, mas sem grandes consequências, pois a liderança do grupo já era inatingível. Os spurs estão neste momento na quinta posição do campeonato inglês, recuperando já algum terreno na corrida ao top-4 após o início desastroso de época sob o comando de Mauricio Pochettino.

Ambas as equipas beneficiam de frentes de ataque explosivas, com velocidade e finalizadores natos, defesas fisicamente poderosas e médios criativos. O treinador do Leipzig, Julian Nagelsmann, é um dos melhores treinadores alemães da atualidade, apenas aos 32 anos, com muito talento em organizar as suas equipas para jogarem um futebol vertiginoso e acutilante.

Como li por aí noutras previsões e concordo plenamente, se o jogo fosse amanhã, o Leipzig venceria. Porém, Mourinho tem ainda dois meses para desenvolver mais a sua equipa e uma janela de transferências para melhorar o plantel. A experiência do treinador português na competição aliada à imensa qualidade que os seus jogadores possuem, deve chegar para levar o Tottenham aos quartos de final. Será muito renhido e certamente não irei perder este encontro.

Veredicto: Tottenham

 

  • Nápoles vs Barcelona

Um duelo curioso, com duas equipas capazes de jogar um futebol apaixonante e triunfante. Porém, duvido imenso que o façam. O Nápoles despediu Carlo Ancelloti após a equipa ter garantido a qualificação para esta ronda da prova (literalmente horas depois jogo), acredita-se que a má relação do treinador com o presidente do clube, Aurelio De Laurentiis, terá sido o motivo para o seu despedimento. Para substituí-lo, Genaro Gattuso, ex-treinador do AC Milan e, na minha opinião, um treinador pouco qualificado para a dimensão do clube. Certamente a intensidade e organização defensiva do Nápoles será melhor, sendo esse o principal foco da tática da antiga lenda italiana. A questão é, isso chega? Gattuso apresentou um Milan capaz de questionar pelos lugares de apuramento europeu, falhando por incumprimento de fair-play financeiro, mas na verdade a equipa acumulou performances inferiores umas após as outras, com o treinador a ser substituído na época seguinte. Longe no passado ficam os dias do Nápoles que jogava um futebol espetacular, sob o comando de Maurizio Sarri, o famoso “Sarriball”, agora substituído pelas estratégias defensivas de Gattuso, que já deram maus resultados na estreia do treinador, derrota em cas (1-2) diante do Parma.

Do outro lado, o Barcelona também se encontra numa posição delicada. Ernesto Valverde continua a ser alvo de muitas críticas pela base de adeptos blaugrana que não considera o treinador capacitado o suficiente para liderar os catalães. Apesar das conquistas consecutivas do campeonato espanhol, os resultados na Liga dos Campeões têm sido catastróficos, sofrendo o Barcelona duas “remontadas” consecutivas, primeiro às mãos da Roma e no ano seguinte dos campeões da Europa, Liverpool. Espera-se mais desta equipa e apesar do alto número de vitórias domésticas, a qualidade exibicional é notoriamente inferior aos tempos de Guardiola e Luís Enrique, tal como o sucesso europeu (ambos os treinadores conquistaram esta prova).

Duas equipas com potencial subaproveitado, mas, verdade seja dita, em patamares muito diferentes. O Barcelona continua líder da liga espanhola, em igualdade de pontos com o Real Madrid, e venceu o seu grupo, à frente de Borussia Dortmund e Inter. O Nápoles encontra-se na nona posição do campeonato, passando atrás do Liverpool no grupo E. Seria preciso um Nápoles espetacular para vencer este Barcelona (em baixo nível) e não o teremos quase certamente. Para além do óbvio, de que quem tem Messi, é quase sempre favorito a vencer.

Veredicto: Barcelona

Fica assim concluída a minha previsão dos dezasseis avos da Liga dos Campeões. Infelizmente, teremos que esperar dois meses para essa fase da prova chegar e verificar estas previsões!

 

 

 

José Horta

Não nasci a gostar de futebol, mas quando comecei nunca mais quis outra coisa. Algarvio de nascença mas adepto do futebol para além daquele que se joga na praia. Sempre atento aos contornos e novidades do "Desporto Rei", "Beautifull Game" ou lhe quiserem chamar. Aluno universitário de Ciências da Comunicação na FCSH.