Exibição “q.b” dá os três pontos ao Dragão

A bola estava do lado do Porto e os dragões não desiludiram. Depois da vitória do Benfica, a formação de Sérgio Conceição realizou uma exibição suficientemente boa para levar o Paços de Ferreira de vencido por duas bolas a zero. Loum e Zé Luís marcaram os golos da partida.

Após a vitória arrancada a ferros no terreno do Young Boys, esperava-se uma vitória tranquila do Porto frente a um Paços aflito e foi o que aconteceu, apesar da exibição não ter sido a mais convincente.

O jogo começou com um ritmo de jogo muito baixo, com os pacences confortáveis no jogo, devido a essa falta de intensidade dos azuis e brancos. No entanto, não foi preciso esperar muito até que um golo desbloqueasse o jogo para os homens da invicta. Canto perfeito de Alex Telles e Loum saltou mais alto que toda a gente e estreou-se a marcar pelo Porto.

Estávamos perto de ultrapassar a barreira dos 20 minutos e o plano de jogo da equipa de Pepa tinha ido por água abaixo. Porém, o ritmo de jogo manteve-se e isso permitiu que houvesse uma resposta mais atrevida do que aquela que era suposto. Aos 27 minutos, Hélder Ferreira obrigou Marchesín a uma grande intervenção e mostrou que o Paços ainda estava vivo na partida.

Essa acabou por ser a única ameaça à baliza portista na primeira parte, num jogo que estava longe de ser entusiasmante. Até ao fim da primeira parte destaque apenas para um remate de Marega ao poste, aos 33 minutos e também para a lesão de Aboubakar. O camaronês viria a ser substituído por Zé Luís, que brilharia mais tarde no encontro.

A (pouca) qualidade de jogo manteve-se no segundo tempo. Duas equipas com pouca agressividade e intensidade faziam com que o jogo tivesse muito poucos momentos de interesse. Aliás, o primeiro remate à baliza surgiu apenas aos 63 minutos e pertenceu ao Paços de Ferreira.

Apesar da falta de velocidade no seu jogo, o Porto continuava com a partida controlada. Aos 71’ e aos 73’, a vantagem esteve perto de aumentar, mas Ricardo Ribeiro impediu que tal acontecesse, pelo menos para já. Contudo, pouco depois, o guardião português nada pôde fazer naquele que terá sido um dos melhores golos da carreira de Zé Luís. Receção perfeita a um passe igualmente  perfeito de Alex Telles  e remate de bicicleta que só parou nas redes adversárias.

A vitória estava garantida e até ao fim da partida pouco mais a assinalar, com exceção para o remate de Sérgio Oliveira ao poste, já nos descontos da partida.

A exibição não foi a melhor, mas para a história ficam mais três pontos. A equipa de Sérgio Conceição continua assim a sua perseguição ao líder de Benfica e agora vai deslocar-se, a meio da semana, ao terreno do Casa Pia, a contar para a Taça da Liga. Já o Paços continua aflito, no penúltimo lugar da classificação.

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.