Históricos: SC Braga 1-0 SL Benfica

Na rúbrica “Históricos” desta semana, voltamos a 2011 para relembrar o jogo decisivo da primeira eliminatória 100% portuguesa, numa competição europeia. Sporting de Braga e Benfica procuravam a passagem ao jogo decisivo, mas Custódio vestiu a capa de herói e levou os bracarenses à sua primeira final continental.

A Liga Europa 2010/2011 foi uma competição que o público português nunca vai esquecer. Das quatro equipas presentes nas meias-finais, três eram portuguesas. O FC Porto defrontou o Vilarreal, e venceu facilmente, enquanto o outro confronto opôs o Benfica de Jorge Jesus e o Braga de Domingos Paciência.

Na primeira mão o Benfica ganhou vantagem. A jogar em casa, os encarnados venceram por 2-1 e eram claros favoritos a conseguir o acesso à final. O Porto já lá estava, depois de vencer os espanhóis por 5-1 no Dragão. Já todos pensavam numa final entre dragões e águias, mas o Braga tinha outros planos.

Muito cedo na partida, os bracarenses passaram para a frente da eliminatória. Canto batido por Hugo Viana e Custódio a cabecear para o fundo das redes da baliza de Roberto. Estavam decorridos 19 minutos, a vantagem encarnada estava anulada e a preocupação começava a atingir até os adeptos benfiquistas mais optimistas que viam, após o descalabro do campeonato, a oportunidade de salvar a época a ir por água abaixo.

O Benfica tentou aumentar o ritmo de jogo, mas as dificuldades da equipa em conseguir criar verdadeiras ocasiões de perigo eram notórias. No entanto, o golo esteve muito perto de acontecer já em cima do intervalo. Óscar Cardozo assistiu Saviola, o argentino conseguiu desviar a bola de Artur, mas a tentativa de golo esbarrou no poste. O Benfica crescia no encontro e o intervalo chegou em boa hora para o Braga.

Na segunda parte o Benfica entrou melhor e assumiu as rédeas do jogo, com o adversário a remeter-se, quase exclusivamente, ao contra-ataque. O tempo ia passando, o Braga começou, cada vez mais, a fechar os caminhos para a sua baliza e o nervosismo encarnado começava a vir ao de cima.

As oportunidades falhadas por Gaitán e Saviola levaram os adeptos benfiquistas ao desespero e foi por pouco que o Braga não sentenciou a eliminatória através de Hugo Viana. A dois minutos do fim, Paulão efectuou um corte providencial e evitou o golo do recém-entrado Alan Kardec. Esta foi a última chance de golo do Benfica.

Martin Atkinson apitou para o final da partida e o impensável tinha acontecido. O Braga contrariou o grande favoritismo do Benfica e conseguiu a qualificação para sua primeira final europeia, que acabaria por perder para o Porto.

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.