Portugal apurado para o Euro 2020 depois de vitória no Luxemburgo

Seleção bateu equipa luxemburguesa com golos de Bruno Fernandes e Cristiano Ronaldo

Acabou a espera, está confirmado: Portugal vai disputar o Europeu 2020. A equipa de Fernando Santos terminou a fase de qualificação no segundo lugar do grupo B e garantiu acesso direto à principal prova europeia de seleções que será jogada no próximo ano.

Portugal precisava de fazer um resultado igual ao da Sérvia (que jogava à mesma hora frente à Ucrânia) para garantir o segundo lugar, sendo que a vitória significava apuramento direto. Apesar das péssimas condições do relvado, não existiam desculpas para Portugal não sair do Grão-ducado com os três pontos, defendeu Fernando Santos na antevisão à partida.

O técnico português fez apenas duas alterações no onze que goleou a Lituânia por 6-0 na passada quarta-feira: Raphael Guerreiro entrou no lugar de Mário Rui e André Silva rendeu Gonçalo Paciência. O jogo arrancou confuso e muito disputado, com as equipas a habituarem-se ao campo e com a bola com muitas dificuldades em rolar. Sucediam-se os duelos no meio-campo, num jogo escasso em oportunidades de golo.

Portugal não controlava, mas o Luxemburgo também pouco assustou na primeira meia-hora. A equipa da casa só conseguiu criar perigo através do jogo aéreo, primeiro Deville e depois Gerson Rodrigues assustaram Rui Patrício, com cabeceamentos que passaram perto da barra da baliza portuguesa. Do lado português, destaque apenas para um remate de Ronaldo de pé esquerdo encaixado por Moris.

A cinco minutos do intervalo, surgiu um rasgo de génio, que por momentos fez esquecer a pobreza futebolística de todo o jogo. Bernardo Silva (quem mais podia ser?) recuou no terreno e, ainda no meio-campo de Portugal, fez uma assistência perfeita para a desmarcação de Bruno Fernandes. O médio do Sporting dominou de pé direito e, à entrada da área, atirou para o fundo das redes luxemburguesas. Estava feito o primeiro para Portugal, na primeira grande oportunidade da seleção em toda a primeira parte e usando uma fórmula que foi várias vezes repetido por Portugal ao longo de todo o jogo.

Logo a abrir a segunda parte, José Fonte de cabeça esteve perto de ampliar o marcador e Gerson Rodrigues (o elemento mais desequilibrador do Luxemburgo) também não ficou longe do golo, num remate de pé direito a passar perto da barra. As dificuldades de Portugal em jogar futebol apoiado mantinham-se mas mesmo tendo em conta o relvado a equipa portuguesa teve muito pouca bola durante alguns períodos da segunda parte. Em mais um lançamento longo da equipa portuguesa, Pizzi ainda fez golo, mas foi apanhado em fora-de-jogo. O médio do Benfica foi substituído por João Moutinho pouco tempo depois.

O Luxemburgo jogava mais perto da área portuguesa, mas sem a qualidade individual necessária para criar grandes situações de perigo. Aos 70′, Fernando Santos fez a segunda substituição, fazendo entrar Diogo Jota para o lugar de André Silva. Alguns minutos depois, Ronaldo esteve a centímetros de fazer o segundo para a seleção num livre à entrada da área que passou muito perto do poste da baliza luxemburguesa.

Aos 86′, chegou finalmente o momento da tranquilidade para Portugal, em mais uma jogada que, como não podia deixar de ser, passou pelo pé esquerdo de Bernardo Silva. O 10 português, sobre o lado direito, cruzou para Diogo Jota que em queda já na pequena área fez a bola passar por cima do guardião do Luxemburgo. Ronaldo encostou em cima da linha de golo e a equipa respirava depois de um jogo de muita luta e sacrifício mas pouca qualidade. Aos 90′, Rúben Neves ainda rendeu Bruno Fernandes, mas o jogo já estava fechado.

A jogar num “campo de batatas”, como referiu Ronaldo depois do jogo, Portugal conseguiu carimbar a qualificação para o Europeu numa péssima partida de futebol. Destaque ainda para os milhares de emigrantes que apoiaram a seleção e que tiveram direito a um agradecimento dos jogadores no final do jogo. Está feito!

Francisco Madureira

Nascido em Lisboa, sou louco por futebol desde que me lembro. Tenho mais jeito para ver e escrever do que para jogar. Cedo aprendi que é um jogo cruel, mas é também isso que o torna belo. Atualmente a licenciar-me em Ciências da Comunicação.