3 Jogadores que merecem representar o seu país

Representar a nação é uma das maiores honras do beautiful game que é o futebol. Contudo, uma convocatória de uma Seleção só conta com 23 jogadores e há sempre quem se sinta injustiçado por não poder representar o seu país. Aqui ficam três jogadores que começam a ter cada vez argumentos mais fortes para merecer essa chamada.

Enok Kwatteng

O lateral direito ganhou o campeonato europeu de sub-19 com os Les Bleus em 2016, ao lado de Kylian Mbappé e tem estado em excelente forma nos últimos 12 meses. O jogador de 22 anos completou, em média, 6.3 entradas e desarmes por 90 minutos pelo FC Nantes, na temporada passada; números que melhoraram desde a sua ida para Bordéus esta temporada, recuperando a bola seis vezes por jogo numa equipa que tende a manter a posse de bola. O jogador está a completar 78% das suas entradas, uma evolução significativa comparando com as 65% finalizadas da temporada passada. O jovem atleta melhorou também no ataque, criando uma oportunidade de golo por jogo.

Embora o defesa central Benjamin Pavard tenha ocupado a sua posição nos últimos dois anos, se Kwatteng continuar a impressionar na Ligue 1 uma convocação para a seleção francesa é inevitável.

Abdou Diallo

O defesa central da espetacular equipa do Mónaco de 2016, saiu do Stade Louis II em 2017 juntamente com o seu compatriota Kylian Mbappé. Antes de se juntar a Mbappé na capital francesa, este verão, o atleta de 23 anos passou um ano na Alemanha com o Borussia Dortmund; porém, o jovem jogador, adaptou-se perfeitamente ao Parc des Princes, tornando-se a primeira escolha de Tuchel, perdendo apenas um jogo esta temporada por lesão.

O francês faz, em média, 80 passos por jogo, quatro passos longos e completa 84% das suas entradas, número superiores aos de Van Dijk esta temporada. Depois de ter comandado a equipa francesa de sub-21, a dificuldade em entrar na equipa principal pode dever-se a Deschamps afirmar que há demasiado canhotos nos Les Bleus.

Fikayo Tomori

Uma das grandes surpresas desta temporada foi a capacidade de Frank Lampard em integrar jovens na equipa principal do Chelsea. Enquanto nomes como Mount e Abraham há muito eram conhecidos na imprensa britânica, Tomori está a surpreender os blues com o papel predominante que está a desempenhar na Stamford Bridge em 2019.

Depois de meia hora a jogar pela equipa principal quando tinha apenas 18 anos, o defesa central apenas participou em jogos da segunda divisão inglesa, tendo passado pelo Brighton, Hull City e Derby County em empréstimo. O seu brilhante desempenho no Derby, sob o comando de Frank Lampard, foi sem dúvida um dos fatores que impulsionou a carreira do jovem futebolista com os pensioners.

Na equipa londrina, o atleta de 21 anos, tem recuperado a posse de bola 6.7 vezes por jogo, completado 93% das suas entradas, números brilhantes para um jovem defesa central. Tendo nascido no Canadá, filho de pais nigerianos, antes de se mudar para o Reino Unido em criança, o jogador pode optar por representar todas estas nacionalidades, sendo um espetacular reforço em qualquer uma das seleções.

Inês Macieira

Maluquinha da bola, devoradora de livros e apaixonada pela escrita. Licenciada em Ciências da Comunicação na FCSH, a caminho de Bruxelas para um mestrado em Relações Internacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.