Curiosidades: Quem anda a escolher os finalistas dos europeus são… os árbitros?

Como todos sabemos (e antecipamos) 2020 é ano de Campeonato da Europa. A qualificação já começou, e nós, Portugal, como campeões em título esperamos ter uma boa participação em que possamos quiçá renovar o título. Porém, desta vez, não contamos com uma preciosa ajuda dos árbitros. Estranho? Sim, passo a explicar.

Desde 2004 que uma estranha coincidência se tem vindo a revelar: o país de proveniência do árbitro que apita a final desse ano, está, pelo menos, presente na final quatro anos depois. Ora vejamos: em 2004, Markus Merk, árbitro alemão, apitou o  fatídico jogo entre Portugal e Grécia, e em 2008 a final foi entre Espanha e… Alemanha. Este jogo, por sua vez foi apitado por Roberto Rosetti, árbitro italiano, e em 2012 a final foi entre Espanha e… Itália. Em 2012, a final foi apitada pelo árbitro português Pedro Proença, atual presidente da Liga, e em 2016 não é necessário relembrar o que se sucedeu não é verdade?

Será interessante perceber se em 2020 esta tendência se mantém: Mark Clattenburg, árbitro inglês, apitou a final de 2016, e existem coisas mais difíceis do que Inglaterra conseguir chegar à final do europeu que se realiza, curiosamente, em Londres, no mítico estádio de Wembley.

Obviamente este é apenas um pedaço de trivia sobre os Europeus, mas caso se confirme são coincidências a mais. Há quem diga que as coincidências não existem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.