Jovem Promessa: Joe Willock, a prova que o talento é de família

Nome: Joseph George Willock

Data de Nascimento: 20 de agosto de 1999 (20 anos)

Posição: Médio centro – médio ofensivo

Nacionalidade: Inglesa

Pé Preferencial: Direito

Clube: Arsenal

Não, este não é o jovem extremo inglês do Benfica. A dúvida é pertinente, ambos são semelhantes fisicamente e partilham o mesmo nome, são irmãos e jogadores distintos. Enquanto o seu irmão (Chris Willock) está emprestado ao West Bromowich Albion pelo Benfica, Joseph (ou Joe) Willock joga pelo Arsenal na equipa principal, com grande relevância no inicio desta temporada. 

O jovem inglês de 20 anos é um meio campista, produto da formação do Arsenal, tal como Chris Willock. Porém, o médio centro continuou no seu clube de formação, entrando na equipa principal na época 2017/2018, ainda sob o comando de Ársene Wenger.

Um “box-to-box” moderno, o jovem é um médio bastante equilibrado, com uma propensão mais ofensiva. Já desempenhou o papel de “10” no típico 4-2-3-1 de Unai Emery, tal como um de três médios num 4-3-3 ou 4-3-1-2. Importante observar que nesta temporada tem muitos mais minutos que Ozil, ocupando o seu lugar enquanto um dos médios mais criativos nos “gunners”, beneficiando da inconsistência do alemão.

Willock traz uma ótima capacidade de transporte ao jogo, com boa distribuição, relativa facilidade de chegada na área e intensidade na pressão. Um conjunto de características muito útil nas formações oscilantes de Emery que tanto o utiliza de forma mais avançada como recuada.

Esta polivalência é uma verdadeira mais-valia nas opções do técnico espanhol, que mantém o jovem no seu onze inicial com alguma frequência nesta temporada, independentemente do sistema tático.

Na sua primeira temporada jogou 11 jogos, raramente a titular, pelo Arsenal, com Wenger a introduzi-lo gradualmente na equipa principal, pois apesar de ter muito talento desde cedo, era ainda muito jovem.

No primeiro ano de Emery ao comando do clube, a transata época 2018/2019, o médio inglês disputou apenas 8 partidas, sendo regularmente uma opção no banco do Arsenal, mas com alguma dificuldade em jogar pelos bons jogos ocasionais de Ozil e a chegada de Torreira.

Fez a época em crescimento, entrando na final da Liga Europa, perdida pelo Arsenal (4-1 frente ao Chelsea), substituindo Ozil, que tinha feito uma partida lastimável e desiludindo imenso os seus adeptos (já é um hábito infelizmente).

Essa substituição ganhou um grande simbolismo, como se veio a ver, pois como já foi observado, o médio tem agora a confiança do treinador, e o médio alemão, não. A saída de Aaron Ramsey é também uma das razões pelas quais o jovem tem ganho espaço no plantel, visto que o médio galês tinha um grande estatuto no clube e desempenhava um papel semelhante a Willock em campo.

Na temporada que decorre, Willock disputou os três primeiros dos quatro jogos no campeonato pelo Arsenal, sempre a titular, com boas prestações frente ao Newcastle e o Burnley, ambas vitórias do Arsenal. Frente ao Liverpool na terceira jornada, a partida não lhe correu muito bem, sendo “abafado” pela pressão dos homens de Klopp na derrota por 3-1 em Anfield. Frente ao Tottenham ficou no banco.

Um jovem com muitos sinais promissores, Willock entra na recente “fornada” de jovem talento inglês a surgir nos últimos anos, muitos já sob o comando de Gareth Southgate, selecionador inglês. Por agora, o jovem tem representado as camadas jovens inglesas, disputando o torneio de Toulon e a Elite League Sub-20.

Emery tem ao seu dispor um médio competente, cada vez mais confiante e com vontade de fazer a diferença nos jogos. Não é um titular garantido no Arsenal, há muito talento na equipa e muitos médios de classe a competirem entre si, Guendouzi, Xhaka, Torreira, Ceballos e, quando está num dos seus dias, Mesut Ozil.

Porém, com tanta concorrência, os minutos que já somou são um sinal de que o técnico espanhol reconhece o seu talento e conta com ele. Traz muita energia ao miolo e alguma irreverência, algo que por vezes falta a esta equipa.

Tem sido preponderante desde o início da pré-época e com as quatro competições que o clube inglês tem agendadas nesta temporada, Willock certamente irá ser muito útil no plantel dos “gunners”, seja em que momento da temporada for, em qualquer que seja o seu papel no onze inicial. Um atleta que merece toda a atenção, um dia destes talvez esteja a jogar por Inglaterra ou a protagonizar uma transferência multimilionária!

José Horta

Não nasci a gostar de futebol, mas quando comecei nunca mais quis outra coisa. Algarvio de nascença mas adepto do futebol para além daquele que se joga na praia. Sempre atento aos contornos e novidades do "Desporto Rei", "Beautifull Game" ou lhe quiserem chamar. Aluno universitário de Ciências da Comunicação na FCSH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.