Primeira parte desastrosa elimina os dragões e faz voar os milhões

O FC Porto perdeu esta noite no Estádio do Dragão (2-3), com os russos do Krasnodar e fica de fora da Liga dos Campeões. Os azuis e brancos com a derrota na segunda-mão da terceira pré-eliminatória da liga milionária, sofrem forte abalo financeiro ao perderem mais de 40 milhões de euros.

Os dragões entraram com vantagem na eliminatória mas a primeira metade desastrosa dos pupilos de Sergio Conceição, deitava tudo a perder. No regresso à titularidade de Danilo, o FC Porto pecou pelo pouco discernimento ofensivo, cometeu demasiados erros na organização defensiva e sempre que os russos partiam em transição ofensiva, os dragões ficavam impotentes para travar o adversário.

Aos três minutos de jogo foi o médio holandês Tony Vilhena a abrir o marcador na sequência de um pontapé de canto, a aparecer livre de marcação e com pontapé forte dentro da área empata a eliminatória.

Os dragões mostravam algum desnorte no processo ofensivo e os russos iam aproveitando, beneficiando da velocidade nos seus avançados e numa rápida transição ofensiva, Wamberto assiste Magomed Sulymanov que à entrada da área, remata sem hipótese para o guardião portista.

Os homens da casa iam remando contra o resultado e o colombiano Luis Diaz, foi o elemento mais inconformado com o resultado e à passagem do minuto 24, num lance individual, sai pela ala esquerda do sector defensivo percorrendo todo o campo e desferindo um forte remate dentro da área russa, obrigando o guardião do Krasnodar a defesa apertada.

Nas bancadas do Dragão ia-se notando alguma impaciência e pouca tolerância à inoperancia ofensiva dos homens da casa e eis que, o “miúdo” de 19 anos Sulymanov, numa rápida transição ofensiva, bisou na partida, dilatando o marcador com um remate cruzado e rasteiro a entrar junto ao poste direito da baliza de Marchesín, decorria o minuto 34.

À passagem do minuto 38, saiu Saravia para dar entrada a Zé Luis com o intuito de dar mais pendor ofensivo ao conjunto portista.

O apito para o intervalo suou, e no Dragão assistia-se a um FC Porto com falhas na organização defensiva e um Krasnodar eficaz nas transições ofensivas, capitalizando as parcas ocasiões em golos.

No regresso para a etapa complementar, o FC Porto assumiu o controlo do jogo e esteve sempre instalado no meio campo do adversário.

Minuto 49 e Sérgio Oliveira num lance disputado com Kambolov, sai lesionado, dando lugar à estreia de Uribe.

Os dragões instalavam-se no meio campo russo e como tal, estavam mais permeáveis às rápidas transições do adversário e aos 52′, foi Marchesín a evitar males maiores, quando Wamberto percorre a ala esquerda do ataque e serve Marcus Berg que aparece no centro da área portista e vê o seu remate a ser travado pelo guardião da casa.

O jogo só tinha um sentido e o golo portista estava eminente. O Krasnodar limitava-se a evitar como podia, as investidas do Porto até que, ao minuto 57, Alex Telles cruza forte para o centro da área e Zé Luís de cabeça, reduz a vantagem e dá novo alento as hostes portistas.

Pouco tempo depois fora Marega a colocar à prova os dotes do guardião russo.

Com meia hora para jogar, era visível o baixar de linhas dos russos por mérito da pressão dos dragões. O técnico Murad Musaev ao minuto 65 faz sair o avançado Suleymanov para dar lugar ao defesa islandês Jon Gudni Fjoluson numa clara acção de tentar travar o caudal ofensivo do adversário.

Nunca descorando a hipótese de poder resolver de vez a partida numa transição, o técnico do Krasnodar aos 73′ refresca o ataque, substituindo Marcus Berg por Ivan Ignatyevpor, o melhor marcador do emblema russo, obrigando o FC Porto e redobradas atenções com o sector defensivo.

Os azuis e brancos só sabiam atacar e Luis Diaz ao minuto 77, recebe a bola de Corona e de fora da área na zona central, com um remate colocado bate o guardião russo, fazendo o segundo do Porto e deixando as bancadas do Dragão em euforia.

Colombiano alimentou a chama do Dragão mas acabara por ser insuficiente

 

Sérgio Conceição ia mexendo na equipa, com o intuito de a refrescar ofensivamente e aos 86′ tira Corona para entrar Aboubakar.

Dora em diante o relógio metia mais medo aos dragões que o conjunto russo mas o que é certo é que estes, conseguiram vir a Portugal carimbar a passagem à fase seguinte, fazendo com que o FC Porto descesse à fase de grupos da Liga Europa.

 

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e dela, faz parte o futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os artistas brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.