Mercado: Que fizeram as 20 equipas da Premier League nesta janela de transferências?

E está fechado o mercado de transferências em Inglaterra. O campeonato que todos os anos movimenta milhões sem fim fechou dia 8 de Agosto e agora está tudo a postos para o regresso das grandes emoções da Premier League.

Muitas novelas marcaram este verão e várias transferências bombásticas aconteceram. Os clubes ingleses gastaram cerca de um bilião e meio de euros, fazendo com que a Premier ocupe, de forma destacada, o topo do ranking das ligas que mais gastam.

O AMBIDESTRO fez um resumo daquilo que foi esta janela de transferências para as 20 equipas que vão disputar a Premier League esta temporada. Ora veja:

 

Arsenal

Os Gunners realizaram um forte investimento neste mercado de verão. Com o objetivo de voltar ao Top-4 da Premier– algo que não acontece desde 15/16- a equipa comandada por Unai Emery investiu cerca de 150 milhões de euros. Mais de metade deste valor foi gasto em Nicolas Pépé. O costa-marfinense foi a compra mais cara de sempre do clube londrino – cerca de 80 milhões de euros- e grandes esperanças são em si depositadas. A saída do capitão de equipa, Laurent Koscielny, foi também um dos destaques do mercado da parte do Arsenal. Para substituí-lo, David Luiz foi contratado ao Chelsea, já com o mercado a dar as últimas.

Principais Entradas: Nicolas Pepe (Lille); William Saliba (Saint-Etienne); Dani Ceballos (Real Madrid); Kieran Tierney (Celtic); David Luiz (Chelsea)

Principais Saídas: Laurent Koscielny (Bordéus); Aaron Ramsey (fim de contrato); Danny Welbeck (fim de contrato); Petr Cech (fim de carreira); Lichtsteiner (fim de contrato); Dennis Suarez (fim de empréstimo)

Nicolas Pépé assumiu-se como a contratação mais cara de sempre dos Gunners.

Aston Villa

4 temporadas depois, o Aston Villa está de regresso ao escalão máximo do futebol inglês. De forma a assinalar este regresso e com objetivo de impedir que seja curto, o clube realizou o maior investimento da sua história. Foram 12 os reforços contratados, com cerca de 150 milhões de euros a serem desembolsados. Além dos largos milhões gastos, aquilo que mais surpreende é o facto do clube não ter vendido um único jogador.

Principais Entradas: Wesley (Club Brugge); Tyrone Mings (Bournemouth); Douglas Luiz (Manchester City)

Principais Saídas: Tommy Helphick (fim de contrato); Albert Adomah (fim de contrato); Micah Richards (fim de carreira)

Bournemouth

No Bournemouth, o negócio de maior destaque foi a saída do central Tyrone Mings para o Aston Villa, por 22 milhões de euros. Dos 56 milhões gastos, 18 deles foram gastos em Arnaut Danjuma, extremo contratado ao Club Brugge e que já conta com 2 internacionalizações pela seleção principal da Holanda.

Principais Entradas: Arnaut Danjuma (Club Brugge); Philip Billing (Huddersfield); Lloyd Kelly (Bristol City)

Principais Saídas: Tyrone Mings (Aston Villa); Lys Mousset (Sheffield United)

Brighton

Tal como o Aston Villa, o Brighton também não faturou (quase) nada nesta janela de transferências. No entanto, 65 milhões de euros foram desembolsados em reforços para uma formação que tenta cimentar, cada vez mais, o seu lugar na Premier League.

Principais Entradas: Adam Webster (Bristol City); Leandro Trossard (Genk); Neal Maupay (Brentford)

Principais Saídas: Alexis Mac Allister (emp. Boca); Percy Tau (emp. Brugge); Anthony Knockaert (emp. Fulham)

Burnley

Este foi um período de transferências com pouco investimento por parte do Burnley. O clube nem chegou aos 10 milhões em contratações, e o seu reforço mais sonante foi Danny Drinkwater que veio por empréstimo do Chelsea.

Principais Entradas: Jay Rodríguez (West Brom); Erik Pieters (Stoke); Danny Drinkwater (emp. Chelsea)

Principais Saídas: Tom Heaton (Aston Villa); Nahki Wells (emp. QPR)

Chelsea

Esta foi uma janela de transferências atípica para os Blues. Devido ao castigo aplicado pela FIFA, o Chelsea não pôde contratar nenhum jogador neste verão, sendo que a única entrada no plantel, para esta nova época, foi a de Christian Pulisic. O norte-americano foi contratado em Janeiro ao Borussia Dortmund, mas só em Julho é que chegou a Londres.

Se em contratações foi um verão muito pacato em Stamford Bridge, em saídas foi totalmente o oposto. O Chelsea realizou a maior venda da sua história, ao vender o belga Eden Hazard ao Real Madrid, por 100 milhões de euros. O extremo era a principal figura da equipa desde que chegou, há sete anos atrás. A equipa de Frank Lampard assume-se como uma das maiores incógnitas desta temporada que se avizinha.

Principais Entradas: Christian Pulisic (Borussia Dortmund)

Principais Saídas: Eden Hazard (Real Madrid); David Luiz (Arsenal); Gary Cahill (fim de contrato); Ola Aina (Torino)

7 anos depois, Hazard sai do Chelsea em direção a Madrid por 100 milhões de euros, sendo a maior transferência deste verão na Premier League.

Crystal Palace

O verão do Crystal Palace foi protagonizado por Wilfried Zaha. O costa-marfinense foi falado como certo em clubes como o Manchester United e o Arsenal, mas acabou por ficar onde estava. Quem acabou por sair mesmo foi Wan-Bissaka. O lateral foi vendido por 55 milhões e tornou-se na venda mais elevada de sempre do Palace e, ao mesmo tempo, num dos defesas mais caros da história.

Principais Entradas: Gary Cahill (Chelsea); James McCarthy (Everton); Jordan Ayew (Swansea)

Principais Saídas: Aaron Wan-Bissaka (Man United); Jason Puncheon (fim de contrato)

Everton

A equipa treinada por Marco Silva não olhou a despesas neste verão. Os Toffees investiram cerca de 120 milhões de euros e procuram fazer bem melhor que o 8º lugar da época transata. As contratações de Moise Kean à Juventus e de Alex Iwobi ao Arsenal foram as contratações mais sonantes.

Além dos largos milhões gastos nesta janela do mercado, a equipa da cidade de Liverpool não faturou muito com saídas, sendo que o maior negócio que realizou nesse sentido foi a saída de Idrissa Gueye, por 30 milhões, para o PSG.

Principais Entradas: Alex Iwobi (Arsenal); Moise Kean (Juventus); Jean-Philipe Gbamin (Mainz); Fabian Delph (Man City)

Principais Saídas: Idrissa Gueye (PSG); Ademola Lookman (Leipzig); Nikola Vlasic (CSKA)

Leicester City

Os campeões sensação da época 15/16 assumiram-se como mais uma das equipas cujo o maior destaque foi quem venderam e não quem compraram. Não é para menos, sendo que o Leicester realizou a maior venda da sua história e uma das maiores vendas deste verão. Harry Maguire foi vendido ao Man United por 87 milhões de euros e tornou-se no defesa mais caro da história.

Principais Entradas: Ayoze Pérez (Newcastle); Dennis Praet (Sampdoria)

Principais Saídas: Harry Maguire (Man United); Shinji Okazaki (fim de contrato); Danny Simpson (fim de contrato)

Liverpool

É costume dizer que “em equipa que ganha não se mexe” e Jurgen Klopp levou o ditado à letra. Depois de no verão passado ter gasto quase 200 milhões em contratações, este ano os Reds não realizaram nenhuma transferência sonante. Tanto em termos de entradas, como em termos de saídas. A equipa que vai tentar renovar o título de campeão europeu e tentar conquistar o título da Premier League ao Man City é basicamente a mesma da época anterior.

Principais Entradas: Sepp Van de Berg (Zwolle); Adrián (West Ham)

Principais Saídas: Danny Ings (Southampton); Simon Mignolet (Brugge); Alberto Moreno (fim de contrato); Daniel Sturridge (fim de contrato)

Manchester City

Desde a chegada do Sheikh Mansour, em 2008, que o Man City tem sido sempre um dos maiores protagonistas dos mercados de transferências e este verão não foi exceção. Os campeões ingleses gastaram cerca de 170 milhões de euros, sendo que 135 foram gastos em apenas dois jogadores: Rodri, contratado ao Atlético de Madrid, e João Cancelo, vindo da Juventus.

Principais Entradas: Rodri (Atlético de Madrid); João Cancelo (Juventus); Pedro Porro (Girona); Angeliño (PSV)

Principais Saídas: Danilo (Juventus); Douglas Luiz (Aston Villa); Fabian Delph (Everton); Vincent Kompany (fim de contrato)

Manchester United

Os Red Devils foram um dos protagonistas do mercado. Falou-se em Bruno Fernandes, Paulo Dybala, Wilfried Zaha, Fernando Llorente e muitos outros nomes sonantes, mas o Man United falhou a contratação da esmagadora maioria dos nomes que lhe foram apontados. Mesmo assim, o clube contratou dois dos 10 defesas mais caros da história: Harry Maguire e Aaron Wan-Bissaka.

Outra das novelas em que a equipa orientada por Ole Gunnar Solskjaer participou foi a que teve como protagonista Romelu Lukaku. O avançado belga iniciou esta janela de transferências com intenções de abandonar Old Trafford e acabou por conseguir o que queria, ao ser vendido por 65 milhões de euros ao Inter de Milão.

Principais Entradas: Harry Maguire (Leicester); Aaron Wan-Bissaka (Crystal Palace); Daniel James (Swansea)

Principais Saídas: Romelu Lukaku (Inter de Milão); Antonio Valencia (fim de contrato); Ander Herrera (fim de contrato)

Contratado por 87 milhões de euros, Harry Maguire passou a ser o defesa mais caro da história.

Newcastle United

O Newcastle teve um verão atribulado, até agora. A saída do técnico Rafa Benítez não caiu bem no seio da massa associativa do clube e começou-se a contestar, de maneira constante, o dono do clube. Para substituir o anterior treinador, o Newcastle contratou Steve Bruce. Agora falando de jogadores, os Magpies gastaram cerca de 70 milhões de euros nesta janela de transferências, com Joelinton, avançado de 22 anos que atuava no Hoffenheim, à cabeça. O brasileiro custou cerca de 44 milhões de euros.

Principais Entradas: Joelinton (Hoffenheim); Allan Saint-Maximin (Nice); Emil Krafth (Amiens); Jetro Willems (emp. Frankfurt)

Principais Saídas: Ayoze Pérez (Leicester); Joselu (Alavés)

Norwich City

Os recém-promovidos do Norwich foram contra aquilo que é habitual na Premier e quase não gastaram dinheiro nesta janela de transferências. Os Canaries gastaram cerca de 4 milhões de euros, o que fez com que fossem uma das equipas que menos gastaram- apenas ultrapassados pelo Liverpool.

Principais Entradas: Ralf Fährmann (emp. Schalke); Sam Byram (West Ham); Josip Drmic (Borussia Mönchengladbach)

Principais Saídas: Nélson Oliveira (AEK); Marcel Franke (Hannover); Ivo Pinto (Dínamo Zagreb)

Sheffield United

12 anos depois, o Sheffield United está de volta ao escalão máximo do futebol inglês. Após vários anos a lutar por este regresso, a equipa da cidade de Sheffield finalmente conseguiu a tão almejada promoção. De forma a que não seja um regresso de apenas uma temporada, os recém-promovidos investiram cerca de 50 milhões de euros em reforços.

Principais Entradas: Oliver Mcburnie (Swansea); Lys Mousset (Bournemouth); Callum Robinson (Preston North End)

Principais Saídas: Martin Cranie (fim de contrato); Conor Washington (fim de contrato)

Southampton

Após uma temporada onde a despromoção esteve sempre a rondar a equipa do Southampton, cerca de 50 milhões de euros foram gastos em reforços, com o objetivo de fazer com que esta época seja muito mais tranquila que a anterior.

Principais Entradas: Danny Ings (Liverpool); Che Adams (Birmingham); Moussa Djenepo (Standard Liége)

Principais Saídas: Matt Targett (Aston Villa); Sam Gallagher (Blackburn); Charlie Austin (West Brom)

Tottenham

Os Spurs estão a consolidar, época após época, o seu lugar no meio dos clubes “grandes” de Inglaterra. Depois da derrota na final da Champions frente ao Liverpool e do 3º lugar alcançado no campeonato, o Tottenham procura fazer melhor nesta temporada. Para isso, contratou jogadores como Ndombélé, Lo Celso e Ryan Sessegnon. Será que é suficiente para se intrometer na luta pelo título com Manchester City e Liverpool?

Principais Entradas: Tanguy Ndombélé (Lyon); Giovanni Lo Celso (emp. Bétis); Ryan Sessegnon (Fulham)

Principais Saídas: Kieran Trippier (Atlético Madrid); Vincent Janssen (Monterrey); Fernando Llorente (fim de contrato)

Watford

O Watford vem de uma época tranquila e o objetivo para esta nova temporada passa por conseguir exatamente o mesmo. A equipa vai para a 5º época consecutiva na Premier League e é cada vez um “clube de primeira”. Neste verão de mercado, a equipa gastou cerca de 38 milhões de euros, sendo que 30 foram gastos em apenas um jogador – Ismaïla Sarr.

Principais Entradas: Ismaïla Sarr (Rennes); Craig Dawson (West Brom); Danny Welbeck (Arsenal)

Principais Saídas: Dodi Lukebakio (Hertha); Obbi Oulare (Standard Liége)

West Ham

Pela 5º época consecutiva, o West Ham investiu mais de 50 milhões de euros em reforços, no entanto, os resultados não têm sido os esperados. O 10º lugar da época passada não agradou em nada aos adeptos e neste verão mais um investimento considerável foi feito. O clube gastou cerca de 80 milhões de euros e a Europa é vista como uma obrigação pela massa associativa do clube.

Principais Entradas: Sébastien Haller (Frankfurt); Pablo Fornals (Villarreal); Albian Ajeti (Basileia); Gonçalo Cardoso (Boavista)

Principais Saídas: Marko Arnautovic (Shanghai SIPG); Pedro Obiang (Sassuolo); Edimilson Fernandez (Mainz)

Wolves

A equipa mais portuguesa de Inglaterra teve uma época passada de sonho. A formação de Nuno Espírito Santo acabou em 7º e garantiu a Europa. De forma a conseguir igualar o feito da última temporada, o clube investiu à volta de 100 milhões. Destes 100, cerca de 30 foram gastos em mais dois portugueses: Bruno Jordão e Pedro Neto.

Principais Entradas: Patrick Cutrone (Milan); Pedro Neto (Lazio); Bruno Jordão (Lazio); Leander Dendoncker (Anderlecht); Jesús Vallejo (emp. Real Madrid)

Principais Saídas: Kortney Hause (Aston Villa); Ivan Cavaleiro (emp. Fulham); Hélder Costa (emp. Leeds)

 

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.