Quatro menos dois igual a liderança

Mais uma final ganha pela luta pelo título. O Benfica não tremeu e venceu o Vitória de Setúbal por 4-2. Do lado encarnado marcaram os que costumam marcar mais. Rafa bisou, João Félix fez o gosto ao pé e Seferovic consolidou a sua liderança nos melhores marcadores do campeonato. Pelos sadinos, Nuno Valente e Cadiz, de grande penalidade, fizeram a sua parte.

Rafa foi o homem do jogo.

As águias entraram fulminantes. E a melhor maneira de entrar é só com a bola lá dentro. Estavam jogados cerca de 60 segundos e a Luz já fazia a festa. Félix, o menino de quem todos falam, cruzou para área onde apareceu Rafa que com toda a classe “meteu-a lá dentro”. O Benfica supersónico não ficou por aí. Ataque, ataque e mais ataque. Pelo meio, o Vitória tentava aparecer, sem sucesso. João Félix era dos mais inspirados do lado encarnado e por várias vezes tentou o golo. Uma dessas tentativas esbarrou na mão de Rúben Micael e, após a consulta do VAR, foi assinalada grande penalidade. Grande oportunidade que Pizzi não aproveitou.

Não marcou Pizzi, bisou Rafa. Atrapalhação defensiva dos homens sadinos, Félix aproveitou e assistiu mais uma vez para o pé do extremo português que faz o 12º golo na Liga, o melhor registo da carreira. Quando já se começava a prever um passeio goleador dos encarnados, o Vitória fez questão de cortar o estado de graça do Benfica. Não só porque reduziu a vantagem no marcador por intermédio de Nuno Valente, como acabou a primeira parte “em cima” da equipa da casa. E foi tão visível essa superioridade setubalense, que até foi possível ouvir alguma insatisfação do público da Luz. E assim fecharam as cortinas do primeiro tempo.

A vantagem miníma era perigosa. E todos sabiam que não era impossível o Vitória fazer o que o Belenenses fez na catedral encarnada. Até que chegou Félix. O miúdo que anda a vender capas além fronteiras, mesmo que Bruno Lage não queira. Finalizou como poucos sabem e ampliou a vantagem das águias. Mas a única coisa que mudou foi o marcador, porque a vontade dos homens de Setúbal manteve-se. Por várias vezes o perigo chegou à área de Vlachodimos, com o guardião grego a responder bem às ameaças sadinas.

A verdade é que quem já abanou as redes contrárias mais de 80 vezes esta época (mais de 50 que o adversário), está sempre mais perto de marcar. Ainda para mais por intermédio do seu melhor marcador. Seferovic deu o melhor fim a um excelente passe de Rafa e fez o quarto na Luz. Se ainda restavam dúvidas, o suíço fez questão de acabá-las. O Vitória ainda foi a tempo de marcar o segundo após beneficiar de uma grande penalidade cometida por Rúben Dias, que voltou a realizar uma daquelas imprudências dentro de área. Frio e subtil, Cádiz não imitou Pizzi e marcou.

Os três pontos ficaram na Luz e a liderança também. A dança das cadeiras promete ser até ao fim, mas, a não acontecer escorregadelas de parte a parte, será o Benfica a sentar-se no trono do campeonato. Espera-se uma das mais emocionantes retas finais dos últimos anos.

Ricardo Oliveira

Oriundo da mesma terra do melhor jogador do mundo, a paixão pelo futebol não podia ser maior. Atualmente a tirar a licenciatura em Ciências da Comunicação na FCSH, gosta de escrever e está sempre de braços abertos a novos projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.