OPINIÃO: A luta pela manutenção nunca foi tão emocionante

O nosso campeonato está ao rubro. A luta pelo título, o acesso aos lugares de Liga Europa e a menos falada (e talvez a mais emocionante) luta pela manutenção. Num ano em que são três as equipas despromovidas para o segundo escalão, o número de conjuntos que luta para evitar tal dissabor atinge os dois dígitos. Restam-nos 10 jornadas escaldantes e ninguém vai querer perder nem um bocadinho desta batalha.

A centralização dos holofotes nos três grandes é um caso que ainda está longe de ser resolvido. Desde o poder financeiro, até à massa associativa, Porto, Benfica e Sporting estão muitos furos acima dos restantes. No entanto, apesar do declínio de qualidade em relação aos candidatos ao título, emoção é coisa que não falta na segunda metada da tabela.

Feirense, Chaves, Tondela, Marítimo, Vitória FC, Aves, Nacional, Boavista, Portimonense e Rio Ave são as equipas que estão envolvidas nesta guerra. Umas mais tranquilas, outras no “vai, não vai” e as restantes com a corda no pescoço. A barreira dos 30 pontos costuma ser o porto de salvação. Porém, este ano deverão ser precisos mais uns pontinhos.

Os homens de Portimão e Vila do Conde acabam por se assumirem como uma surpresa nesta lista.

Nakajima já está a deixar saudades em Portimão

Os pupilos de António Folha terminaram a primeira volta com 24 pontos. 7 jogos passaram e neste momento têm 28. As saídas de Manafá e Nakajima provocaram feridas profundas. 1 vitória, 1 empate e 5 derrotas é um registo que prevê muitas dificuldades neste final de temporada.

O Rio Ave acabou por ser outra vítima do mercado de inverno. A equipa perdeu o seu melhor marcador, Carlos Vinícius, um dos pilares do meio campo, João Schmidt, e o técnico José Gomes, que partiu para o Reading. A entrada de Daniel Ramos ainda não surtiu efeito e as dificuldades têm sido evidentes nos últimos tempos. No entanto, juntamente com o Portimonense, assumem-se como os conjuntos mais tranquilos, ambas com 28 pontos.

De seguida temos as equipas mais inconstantes do grupo. Que vão do ciclo de vitórias que os vão catapultar para tranquilidade para no mesmo instante voltar às derrotas que não lhes permitem lá chegar.

O Boavista de Lito Vidigal vinha de 3 vitórias nos últimos 4 jogos. Entretanto foi à Vila das Aves defrontar um adversário direto e saiu de lá derrotado na última jornada. Os jogos que restam incluem confrontos com 6 dos primeiros 7 classificados. Um calendário que em nada facilita a tarefa para os axedrezados, mas que caso vençam os restantes duelos frente às equipas do seu campeonato devem conseguir almejar a manutenção.

Como a equipa mais imprevisível do campeonato, ninguém sabe o que esperar deste Nacional

O prémio de equipa mais imprevisível da presente temporada é atribuído, sem dúvida alguma, ao Nacional da Madeira. A pior defesa do campeonato de forma destacada (a derrota humilhante por 10-0 frente ao Benfica ajudou, e muito, nessa estatística) é capaz do melhor e do pior. A turma de Costinha já protagonizou várias exibições de encher o olho, mas a sua inconsistência não permite que os seus adeptos sonhem com outros voos a que se habituaram em anos anteriores.

Desde a entrada de Augusto Inácio que o Aves tem vindo a subir de forma. 4 vitórias frente a 4 adversários diretos deram à equipa a saída da zona de despromoção. A continuar este momento, Vila das Aves irá participar na Primeira Liga na próxima temporada.

Marítimo, Vitória FC e Tondela são, a meu ver, os conjuntos que mais vão sofrer neste final de época. Todas elas, ao contrário dos seus adversários, ainda não conseguiram mostrar futebol de qualidade, com raras exceções. Com plantéis muito limitados e inferiores às equipas mencionadas acima, a salvação destas 3 equipas vai passar por quem tem mais vontade e, talvez, aquela pontinha de sorte.

Por fim, temos duas equipas com a vida muito dificultada. Esperava-se que a entrada de Tiago Fernandes e as boas adições do mercado inverno levassem o Chaves para outro patamar. No entanto, isso não aconteceu. O conjunto continua sem conseguir convencer e começa a faltar tempo.

O Feirense terá que esperar por um milagre

Ao Feirense… resta rezar por um milagre. A equipa não vence desde a segunda jornada e já está a 10 pontos da salvação. Não há sinais de melhoria e o destino do clube parece mesmo a Segunda liga.

Esta é a prova de que o interesse de um campeonato não pertence exclusivamente ao topo da classificação. 10 jornadas são o que nos resta. 10 equipas estão a lutar para que não sejam os seus últimos jogos na Liga NOS no ano civil de 2019. Diversos confrontos entre estes conjuntos nos esperam. A luta vai ser intensa e em Maio iremos descobrir quais as tropas que sobreviveram e quais as que caíram nesta luta pela manutenção.

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.