De iniciante a revolucionário: Guardiola e o Barcelona

O Barcelona de Guardiola escreveu um dos mais belos capítulos da história do futebol e é por muitos considerado uma das melhores equipas de sempre a pisar um relvado, tanto em termos táticos como de qualidade dos jogadores que a integravam. O domínio do Barcelona nessa altura foi tão expressivo que é difícil exprimi-lo em palavras, mas os números falam por si…Em 19 títulos disputados na “Era Guardiola”, entre 2008 e 2012, o Barcelona conquistou 14.

O Bom filho a casa torna

Nos quatro anos que esteve à frente do Barcelona, Guardiola passou de um treinador iniciante a um génio do futebol. Guardiola foi de tal maneira importante para o futebol que apenas com 48 anos já é considerado um dos maiores treinadores de sempre. Ele que  é um dos casos de um grande jogador que se torna num treinador ainda melhor.

Enquanto jogador, passou grande parte da sua carreira no Barcelona como médio defensivo, chegando a ser capitão e conquistando quatro títulos da La liga em sequência, sendo uma das estrelas da equipa apelidada de “Dream Team”, quando a blaugrana estava aos comandos de Johan Cruyff, o “holandês voador”.

Pep Guardiola treinava o Barça B quando, no final da época 2007/2008, foi chamado a assumir os comandos da equipa principal. Na altura era Frank Rijkaard quem treinava o Barcelona. A equipa precisa claramente de uma revolução, depois de épocas em que esteve claramente abaixo daquilo que são as pretensões de um clube como o Barcelona.

A escolha de Guardiola não foi propriamente consensual. Apesar de ter sido capitão do Barcelona e de ter ocupado um lugar de destaque na história do clube, os adeptos catalães e os próprios meios de comunicação da Catalunha ficaram céticos principalmente pela falta de provas dadas como técnico. Este ceticismo foi ainda mais evidente quando nos dois primeiros jogos oficiais como técnico da Blaugrana, na época 2008/2009, conquistou apenas 1 ponto (derrota com o Numancia e empate com o Racing Santander). Mas rapidamente o que parecia uma contratação desastrosa revelava-se uma aposta ganha, após múltiplas vitórias na liga e nas competições internacionais.

O seu “reinado” à frente do clube é relembrado como o melhor da história do Barcelona. Sem fazer muitas contratações e apostando fortemente nos jogadores formados no clube, Guardiola conseguiu implantar uma filosofia de jogo baseada no futebol ao primeiro toque, inspirada na filosofia de Cruyff, mentor de Guardiola. Ele conseguiu reerguer um Barcelona desmoralizado, que atravessava um período de crise de títulos e resultados, através de um futebol tão vistoso quanto esmagador, através da precisão no passe, da técnica no toque e do rigor nas bolas paradas.

Xavi Hernandez, Andres Iniesta, Carles Puyol, Leo Messi são alguns dos nomes mais sonantes do Barcelona da “Era Guardiola”. O ano em que o Barcelona mais se destacou aos comandos de Guardiola, e quiçá o ano mais gloriosa de toda a sua história, foi 2009. Nesse ano o Barcelona ganhou consecutivamente seis títulos: a Taça do Rei, a Liga Espanhola e a Liga dos Campeões, vitórias que deram direito de disputar a Supertaça da Espanha, a Supertaça Europeia e o Mundial de Clubes, que também acabaram no museu da blaugrana. Guardiola tornava-se assim no único treinador da história a conseguir todos os 6 títulos, em apenas um ano.

Com todas estas conquistas, foi sem surpresas que Guardiola foi considerado o melhor treinador do mundo em 2009. Enquanto isso, na temporada 2009/2010, o Barcelona conquistava o bicampeonato, com 99 pontos, um novo recorde na história do campeonato espanhol. No ano de 2011, a equipe quase repetiu a proeza de dois anos antes: conquistou novamente a Liga Espanhola e a Liga dos Campeões, o que o levou a jogar e vencer novamente a Supertaça de Espanha, a Supertaça Europeia e o mundial de Clubes, só faltou mesmo a Taça do Rei para fechar com chave d’ouro.

Na última época ao comando do Barça, 2011/2012, a equipa só conseguiu conquistar a Taça do Rei, sendo que apesar do seu excelente desempenho, os blaugrana não conseguiu fazer frente ao Real Madrid, que acabou por conquistar o campeonato Espanhol. Nessa época o Barcelona foi eliminado nas semifinais da Liga dos Campeões pelo Chelsea.

O “estilo Barcelona”

Defensivamente o Barcelona de Guardiola posicionava-se no seu típico 4-3-3 compacto e organizado, com saídas em bloco que forçavam o erro do adversário. Depois de recuperada a bola o Barcelona desenvolvia jogadas de ataque com um grande envolvimento de todos os jogadores mais avançados do meio campo e atacantes, o famoso “Tiki-Taka”, que confundia os adversários com bolas pelas costas e com constantes trocas de posição e variações de centro de jogo.

O Barcelona de Guardiola foi uma revolução no mundo do futebol, de tal maneira que até hoje se usa a expressão, “jogar à Barcelona”, ou “tiki-taka”. De facto, o futebol praticado por aquela equipa era algo de deixar qualquer um boquiaberto, era quase impossível vencê-los. Henry, ex-jogador do Barcelona de Guardiola, tem uma frase que resume bem tudo isto: “Se me disserem que gostam de futebol, mas não gostam do Barcelona, então têm algum problema.”

 

Tiago Domingos

Lourinhanense de gema, estuda gestão no ISCTE-IUL. Tem como hobbie a escrita e como paixão o futebol!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.