Sporting perdulário tropeça nos Barreiros

Marítimo 0 – 0 Sporting

Na deslocação aos Barreiros, um terreno por norma complicado e de má memória da época passada, o Sporting não foi além de um empate a zero. Este era um encontro importante para os leões para responder à eliminação da Liga Europa e também para aproveitar a derrota do SC Braga e aproximar-se do pódio, mas apanharam pela frente um super Charles, sem dúvida o homem do jogo, e apenas conseguem conquistar um ponto.

Neste jogo, o Sporting entrou no já habitual 3-4-3, mas ao intervalo mudou para 4-3-3 e isso permitiu aos leões estar mais confortáveis na partida e conseguir criar muito mais jogo atacante. A segunda parte, aliás, foi praticamente de sentido único, com o Sporting a criar várias oportunidades, mas a não conseguir chegar ao golo, tanto por desacerto próprio como por mérito da defesa maritimista, nomeadamente o guarda redes Charles. Com a divisão de pontos, o Sporting soma 46 e fica a 3 do Braga, enquanto o Marítimo faz 24 pontos e instala-se na 12ª posição.

XI do Marítimo: Charles; Nanu, Zainadine, Grolli, Rúben Ferreira; René, Pelágio, Vukovic, Edgar Costa, Barrera; Getterson.

XI do Sporting: Renan; Ilori, Coates, Borja; Ristovski, Gudelj, Wendel, Acuña; Bruno Fernandes, Diaby, Bas Dost.

Quanto ao jogo, iniciou com uma entrada forte do Sporting e a criar a primeira ocasião logo aos 4 minutos, por intermédio de Bruno Fernandes (quem mais?), mas Charles opôs-se bem e aliviou para a frente. O Marítimo apenas apareceu no ataque aos 20 minutos, numa grande oportunidade de Getterson, mas o avançado, à entrada da pequena área, disparou por cima da baliza. Na resposta, foi Bas Dost a estar muito perto do golo, após grande jogada coletiva da equipa leonina. A partir deste lance, o jogo entrou numa fase muito monótona e não houve mais lances de perigo, pelo que o nulo persistiu até ao intervalo.

Na entrada para a segunda parte, Marcel Keizer tira os amarelados Gudelj e Borja e lança Doumbia e Raphinha, alterando o esquema para 4-3-3, e o início foi semelhante à primeira parte, mas desta vez foi Diaby a estar perto do golo. De seguida foi o Marítimo a estar duas vezes perto do golo, primeiro num livre de Edgar Costa que passou ligeiramente ao lado da baliza e depois de novo Edgar Costa num remate a proporcionar grande defesa a Renan. A partir daqui o Sporting tomou conta do encontro e teve 3 grandes oportunidades, duas por Bruno Fernandes e uma Raphinha, mas, se numa foi um livre que passou bem perto do poste, nas noutras foi Charles a ser herói e a manter a sua equipa no jogo.

Com a bola a não entrar e o tempo a escassear, Keizer lança Luiz Phellype (troca com Wendel) e o brasileiro até esteve perto de marcar, mas o seu remate embateu num adversário. Os leões insistiam mas não parecia haver forma de inaugurar o marcador, sendo que até ao fim o destaque acaba por ser as expulsões de Coates e, depois, de Marcel Keizer e de Nélson Pereira, mantendo-se o 0-0 no marcador.

Marco Pereira

Amante do desporto, respira futebol e considera-o uma das suas grandes paixões. É licenciado em Línguas Aplicadas pela Universidade do Minho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.