OPINIÃO: Se não fosse Sousa Cintra…

Já não basta o modesto quarto lugar do campeonato, o Sporting, no espaço de alguns dias, acaba de perder por duas vezes com o seu grande rival. E depois da “alegria” da conquista da Taça da Liga, o leões voltaram a descer à terra. Nã há volta a dar. Este plantel do Sporting é, sem dúvida, um dos mais fracos e menos competitivos dos últimos tempos. E sem ovos não se fazem omeletes. Frederico Varandas pegou num clube fraturado, ferido e sem grandes argumentos financeiros. O Sporting passou de comprar jogadores como Bas Dost, Bruno Fernandes e Acuña, transferências que rondaram os dez milhões de euros, para comprar jogadores como Luiz Phellype, Doumbia e Borja.

As transferências mais caras de sempre do Sporting / Transfermarkt

Olhando para o plantel dos leões, de facto, só existem dois jogadores que teriam lugar no onze inicial do FC Porto e do Benfica. E são nomes que já referi: Bas Dost e Bruno Fernandes, que, curiosamente, são as transferências mais caras do clube de Alvalade. São jogadores à parte. O primeiro é só o segundo melhor marcador da Primeira Liga, segundo melhor na época passada e o melhor na sua primeira época em Portugal. Marcar golos é com ele. O segundo não precisa de grandes introduções. Senão é o melhor, é um dos melhores jogadores a atuar em Portugal. Absolutamente crucial para o desempenho da equipa leonina. Ele até pode nem estar a aparecer muito no jogo, mas tem a capacidade de o mudar sem grande esforço.

Estão sinalizadas as peças indiscutíveis da equipa de Marcel Keizer. E agora imaginemos que nem Bas Dost, nem Bruno Fernandes estavam no plantel verde e branco. Imaginemos que no final da época passada, depois do terror de Alcochete, Sousa Cintra não tinha conseguido segurar Bas Dost e Bruno Fernandes. Imaginemos que Luís Filipe Vieira teria concretizado a sua pequena loucura. Deixo esse exercício para cada um de vós. A verdade é que muito o Sporting tem de agradecer a Sousa Cintra, pois sem esta dupla, a esta altura, não sei por onde passariam os objetivos dos leões. E ficarei muito surpreendido se o Sporting conseguir segurar os seus dois melhores jogadores (de longe) no final da época.

A dita crise leonina já não é de agora. O jejum de campeonatos já seguem para as duas décadas. As más épocas não são novidade. A fraca competitividade financeira já é repetitiva. Porém, existe algo novo. O “produto de Alcochete” tem cada vez menos peso no plantel do Sporting. A tarefa que Frederico Varandas tem nas mãos, já outros a tiveram e falharam. E por muito que o FC Porto e o Benfica fiquem satisfeitos com isso, a verdade é que o futebol português precisa de um Sporting forte, revigorado e competitivo, que faça frente aos seus rivais que dominam o futebol nacional e que obtenha bons resultados pela Europa.

Ricardo Oliveira

Oriundo da mesma terra do melhor jogador do mundo, a paixão pelo futebol não podia ser maior. Atualmente a tirar a licenciatura em Ciências da Comunicação na FCSH, gosta de escrever e está sempre de braços abertos a novos projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.