“Trabalhem; Comprometam-se; Superem-se, Acreditem e coisas Boas irão acontecer”

Bilhete de Identidade

Nome: Filipe Miguel Fernandes Pereira

Data de nascimento: 1977-01-25

Nacionalidade: Portugal

Situação Actual: Treinador principal do escalão Sub-19 – Futebol Clube de Alverca; Coordenador Técnico do futebol de formação do FC Alverca

 

Estivemos à conversa com o treinador Filipe Pereira que é detentor de um percurso académico de excelência e tem vindo a desenvolver a sua actividade, sustentada essencialmente, no futebol de formação. O empenho e a exigência que coloca a si próprio tem-se traduzido em sucessivas conquistas de troféus. Tem feito história com os juniores do FC Alverca e hoje, é encarado como um treinador com um futuro muito promissor…. 

 

AMBIDESTRO: O Filipe tem licenciatura em Ciências do Desporto com menção em Educação Física e Desporto Escolar. Quando surgiu o “clique” de treinador no Filipe Professor ?

Filipe Pereira: Olhando um pouco para trás, apercebo-me que a paixão pelo treino e ser treinador foi-se construindo desde cedo. Nas equipas que criávamos no bairro, queria para além de jogar, organizar a equipa, fazia os aquecimentos, nomeava quem jogava, dava treinos aos mais novos etc… Também desde cedo fui vivenciando experiências de balneário e com o lado menos visível do jogo, o meu pai foi diretor de diversas equipas e acompanhava-o para todo o lado. Não posso falar de um clique, mas sim de algo que se foi alimentando ao longo do meu crescimento. A escolha do meu curso foi uma consequência destas vivências e da paixão que fui criando. De salientar que no meu tempo, ainda não existiam cursos em Treino Desportivo, a especialização numa modalidade ocorria no 4º ano.

AMBIDESTRO: Muito antes de chegar à vertente do Treino, o Filipe participou em diversas actividades como prelector na área do Futsal e do Futebol. São as duas modalidades de paixão ?

Filipe Pereira: Já ia tendo algumas experiências ao nível do treino, embora não tão sérias. O gosto pela transmissão de conhecimentos, foi também algo que sempre fui revelando, sempre gostei de estar do outro lado, quer no treino, quer na escola. Tive professores, treinadores e diretores que muito me ensinaram neste campo, mas sobretudo sempre me deixaram experimentar e fomentar este prazer que me dá, de transmitir ideias e sobretudo partilhar. Sim sem dúvida que são duas grandes paixões, agora muito mais focado no futebol, mas não deixo de acompanhar o Futsal, assim como o Atletismo do qual também fui atleta. 

Com prelector convidado para abordar temas nas áreas do Futsal e do Futebol

 

AMBIDESTRO: Nessas actividades curiosamente, a incidência foi maioritariamente no âmbito da formação.  Certamente que a vocação e experiência como professor, alicerçou essa situação certo?

Filipe Pereira: Ser professor ainda hoje me ajuda a ver as coisas também de uma outra perspetiva, sobretudo de um ponto de vista mais pedagógico, mesmo sabendo que à medida que vamos evoluindo nos escalões, este fator vai-se diluindo. No entanto, mesmo a um nível elevado não deixo cair este lado Pedagógico e Humano, essencial neste processo.

AMBIDESTRO: Foi alternando a formação do Futsal com a do Futebol. Até que, a partir de 2007 o percurso tenha sido sustentado no Futebol.  A paixão falou mais alto ou as oportunidades à época, proporcionaram que assim fosse ?

Filipe Pereira: Até essa altura, andei sempre um pouco dividido, e muita das vezes a seguir mais o Futsal, no entanto as oportunidades foram surgindo no Futebol, e foram paulatinamente se tornando mais sérias e mais exigentes. Quando dei por mim, já tinha feito uma escolha sem ter dado bem por isso, tal era já o grau de envolvimento, de compromisso e paixão por aquilo que fazia 

AMBIDESTRO: O Filipe não é muito exuberante nos momento da glória mas importa salientar que, os últimos seis anos têm sido repletos de êxito com conquistas de títulos, anualmente. No período de 2011 a 2015 foi diversas vezes campeão distrital com escalões de formação. Que memórias guarda dessa altura?

Filipe Pereira: Ainda não me viu dentro do balneário (risos)…… Em situações de conquista tento sobretudo “gravar” todos aqueles momentos, e sobretudo viver e sentir o que se está a passar.

Foram momentos de grande emoção, sobretudo de sentimento de dever cumprido e de enorme felicidade por todos aqueles que me acompanharam nesses processos. Mas em todos estes momentos também, com o desejo de trabalhar mais para repetir novos sucessos e que aquele momento não seja irrepetível.  

AMBIDESTRO: Na época de 2015/2016 obteve sucesso na formação e nos seniores. Fez subir à primeira divisão distrital de Lisboa, os seniores “B” do GS Sacavenense, foi campeão nacional sub 14 e ainda somou mais um título nos “X Jogos da CPLP”. Como se gere estes processos distintos?

Filipe Pereira: E ainda garantimos a manutenção dos Sub 17 do Sacavenense na 1ª Divisão Nacional. Importa também referir que o trabalho na Seleção de Lisboa, abraçou já uma segunda metade da época. No entanto, tudo passa por uma questão de organização pessoal, familiar e profissional e saber em cada um dos momentos do nosso dia o que temos para fazer e a que área da nossa vida nos vamos dedicar. Na faculdade tive uma cadeira, julgo que Gestão do Desporto, onde o professor Gustavo Pires, dizia “A organização faz a organização da Organização”, tento seguir à risca esse ensinamento.

GS Sacavenense Sub-17 – Manutenção na 1ª Divisão do Campeonato Nacional

 

AMBIDESTRO: Na época transacta assumiu a equipa de juniores do Futebol Clube de Alverca e construiu um plantel do “zero”….Trouxe ao clube, às suas gentes e acima de tudo aos jogadores, um sucesso que se traduziu numa realidade que muitos não acreditavam á primeira jornada. Qual o segredo dessa metodologia ?

Filipe Pereira: Poder fazer parte da revitalização do Futebol Clube de Alverca, foi algo que me deixou bastante entusiasmado, logo após o convite que me foi efetuado pelo Vice Presidente Luís Trincalhetas. Ainda não tinha entrado em funções e já me desdobrava em contactos e em elaboração de pré projetos e outras coisas mais. 

Sobretudo assentámos o nosso trabalho em alguns vetores que nos pareciam essências: Recrutamento/Qualidade do plantel; Definição de objetivos concretos e quantitativos (ajustáveis ao longo do processo); Qualidade do processo de treino; Criação de condições favoráveis aos atletas (ex: Ginásio/Trabalho complementar; Crioterapia; Dinâmicas de desenvolvimento pessoal e interpessoal; Alimentação …); Observação de Adversários e Criar dentro do grupo um conjunto de ideais fundamentais para o nosso crescimento – Trabalho, Superação, Compromisso e Acreditar

Plantel que subiu à 1ª Divisão do Campeonato Nacional de Juniores

 

Deixando o passado glorioso, importa agora falar do actual momento e focarmo-nos na presente época, onde está na primeira divisão do campeonato nacional de juniores, principal montra do futebol de formação. O Alverca passou a ter uma visibilidade nacional e hoje, bate-se de igual para igual com clubes com mais experiência neste particular. Não obstante da qualidade do plantel, é evidente o cunho do mister neste processo evolutivo

 

AMBIDESTRO: Como se define como treinador?

Filipe Pereira: Exigente para com Todos os que fazem parte do processo e comigo próprio, sabendo que se quero uma equipa disciplinada e comprometida, o exemplo tem de vir de mim. Tento viver o meu dia a dia tal como fosse um atleta, preparando-me da melhor forma para o treino e para a competição. Tento também todos os dias equilibrar esta exigência com o lado empático, e fazer perceber a Todos os meus que estarei ao lado deles sempre que precisarem. 

A exigência para com os outros mas acima de tudo, para consigo próprio, tem sido profícua em sucesso

 

AMBIDESTRO: Como é feita a análise dos adversários ? 

Filipe Pereira: Tentamos ao longo da época partilhar o máximo de filmagens de jogos com outros adversários, embora também gostamos de ter sempre uma pessoa nossa na observação “in loco”. Este ano temos também a benesse de alguns jogos serem transmitidos na televisão. Essa informação depois é processada e enviada para a equipa técnica em formato de relatório e em formato vídeo e mostrada ao longo da semana ao plantel. 

AMBIDESTRO: Como aborda com o plantel, a antevisão e o pós jogo ?

Filipe Pereira: A análise pós jogo é sempre realizada pela equipa técnica, aí elencamos os aspetos que necessitamos de melhorar e que irão fazer parte dos conteúdos da semana de treino. A forma como o fazemos com o plantel é que pode variar, podemos fazê-lo de uma forma mais formal (reunião), de uma forma mais informal na breve palestra antes do início do treino, simplesmente não fazer ou ir diluindo essa informação ao longo da semana de treino, fazemos depender tais opções, tendo em conta o resultado, momento da época e/ou estado anímico do plantel. No início da semana fazemos sempre o lançamento do jogo, na segunda ou na terça os jogadores têm acesso ao relatório acerca do adversário e sempre que necessário, na apresentação dos exercícios fazemos alguma ligação com essa informação (ou também com os aspetos a melhorar). Ao sábado antes do jogo apresentamos o vídeo e damos também uma perspetiva mais estratégica na nossa abordagem.

AMBIDESTRO: O mister está como coordenador do futebol de formação do clube. Com o crescimento das escolas dos principais emblemas de Lisboa, é fácil cativar miúdos numa estrutura como a do Alverca?

Filipe Pereira: No primeiro ano foi extremamente difícil, tínhamos o pelado como fator menos atrativo para os miúdos. Contudo graças também aos treinadores que recrutámos e aos que ficaram, conseguimos ter equipas competitivas e muito bem trabalhadas que nos garantiram uma excelente e memorável época. Este ano com o Centro de Formação esta situação melhorou. Contudo, sentimos dificuldades ao nível do recrutamento nas nossas equipas de Sub 15 (nacional) e Sub 19 (1ª divisão nacional), pois mesmo ao subirem de patamar, existiu alguma desconfiança de muitos jogadores para integrarem as nossas equipas 

Filipe Pereira está como Coordenador do Futebol de Formação do FC Alverca

 

AMBIDESTRO: Cada vez mais cedo, vimos partir para o estrangeiro jovens promessas da nossa formação. Seria útil para o processo evolutivo de carreira como atleta e para o nosso futebol, cimentarem a formação em clubes portugueses? Como vê essa situação?   

Filipe Pereira: Comparando a realidade sócio económica do nosso país e dos nossos clubes, com outras realidade no estrangeiro, torna-se complicadíssimo conseguirmos competir e manter esses jogadores. Eu julgo que é algo que temos que encarar com normalidade e adaptarmo-nos ao Mundo Global em que vivemos. Sobretudo olhar com positivismo para essa questão, hoje em dia os clubes desses jogadores já não ficam de “mãos a abanar”, existe um retorno, não apenas momentâneo, mas que pode ser periódico (em função de futuras transferências), ora esse retorno poderá ser investido para melhorar as condições dos que cá ficam e potenciá-los cada vez mais. Temos clubes em Portugal que se adaptaram e já fazem este processo de modo exímio.

AMBIDESTRO: É-lhe conhecido um estilo “low profile” e quando recebe troféus de distinção individual, rapidamente se apronta para englobar todos nesse momentos de glória. Ainda assim, não podemos ficar indiferentes ao colecionar de galardões como os de 2013/14 e 2014/15 em que foi distinguido pela Camara de Loures pelos resultados alcançados; em 2016 pelo Grupo Sport Sacavenense e mais recentemente pela câmara Municipal de Vila Franca de Xira e pelo FC Alverca com a distinção de treinador do ano. Como se gere estes momentos ?

Filipe Pereira: São momentos marcantes, que nos emocionam, que fazem valer a pena a nossa correria, são momentos de orgulho, sobretudo porque sei que aqueles mais próximos se sentem orgulhosos pelo caminho que estás a trilhar. São momentos que me deixam feliz, porque ganho um certo tipo de força/alma (não sei explicar muito bem) que podem inspirar outros. Mas sobretudo, são momentos de enorme Gratidão… o que seria de mim sem todos aqueles que me acompanham diariamente, no Treino, na Escola, em Casa, ao telefone, no computador, Família, Amigos, Colegas, enfim…. O meu grande receio é esquecer-me de alguém e não ser o suficientemente grato para com alguma dessas pessoas

Distinção no mês passado como treinador do ano

 

 

 

AMBIDESTRO: Como é o dia a dia do Filipe professor e treinador?

Filipe Pereira: O dia começa cedo e por vezes começa com uma tarefa árdua….. nos dias em que tenho que levar a minha filha ao infantário…. Tirá-la de casa não é fácil… (risos). Durante a manhã e parte da tarde estou na escola, onde dou aulas, trato dos assuntos da minha direção de turma e do desporto escolar (ténis de mesa… sou um multifacetado … risos). Depois dirijo-me para o Complexo do FC Alverca, onde tenho reuniões com a minha equipa técnica (Hugo Trincalhetas, Flávio Marques, Bruno Pereira, Igor Martins, José Marques e Pedro Porém) e preparamos a sessão de treinos e tento-me informar de mais algum dado relevante para a preparação da equipa (lesões, faltas…). É um espaço também onde aproveito, como coordenador, para me colocar a par do que se vai passando nos outros escalões e também resolver alguns problemas que vão aparecendo. Depois temos o treino, depois do treino, existe sempre alguma coisa para fazer: pequeno balanço e deixar uma ou outra ideia para o dia seguinte, conversa com jogadores, reunião com pais, etc.. Após tudo isto é hora de ir para casa… Outro dia irá começar ☺ 

AMBIDESTRO: Sei que lhe é conhecida uma frase como filosofia de vida que usa várias vezes, gostava que a partilhasse com os nossos leitores e seguidores.

Filipe Pereira: Não é uma frase minha, mas foi algo que adotei para mim em um daqueles momentos de partilha e de conversa boa entre Amigos:

“Ser mais do que sou Hoje; Saber mais do que sei Hoje e Ganhar mais do que ganhei até Hoje”

Também tenho outra e essa minha (risos), que utilizo muito para os meus jogadores:

“Trabalhem; Comprometam-se; Superem-se, Acreditem e coisas Boas irão acontecer”

 

Filipe a conversa está a ser extremamente agradável e agora sugeria abordámos um pouco das perspectivas de futuro.

 

AMBIDESTRO: Faltam 4 jogos para terminar a primeira fase do campeonato. Que perspectivas alimenta actualmente, tendo em conta que, ocupam a quarta posição que a manter-se, dá acesso ao “Pay-off” de campeão ? 

Filipe Pereira: Em Julho quando começámos, ninguém nos colocaria neste lugar. É para já um motivo de enorme orgulho estarmos onde estamos, e como você disse atrás, o FC Alverca voltou a ganhar uma visibilidade nacional, ombreando com emblemas com maior experiência e dimensão…. E existe algo muito importante a destacar, estes miúdos têm sido simplesmente fantásticos pela entrega e dedicação, sinto um grande orgulho neles e é um prazer enorme vê-los crescer. O que vem aí, vai ser encarado com o que nos trouxe até aqui: Trabalho; Compromisso; Superação e com muito Acreditar!

AMBIDESTRO: O trajecto do mister tem sido alicerçado essencialmente em escalões de formação. Equaciona um projecto no escalão senior?

Filipe Pereira: Equaciono um projeto escalão sénior, como equaciono outros tipos de projeto, para mim o fundamental é sentir-me útil e motivado naquilo que faço, não vivo obcecado por treinar séniores, vivo sim muito empenhado em fazer bem aquilo em que estou envolvido e que me permita continuar a evoluir e a crescer

AMBIDESTRO: Com o facto da excelente campanha da equipa na primeira divisão, é natural que lhe traga mais exposição e com isso, um eventual assédio de outros emblemas. Faz parte dos planos, abraçar um novo projecto nacional ou internacional?

Filipe Pereira: Tendo em conta a volatilidade deste mundo do Futebol, temos que estar sempre preparados para mudanças. Sobretudo neste momento estou muito tranquilo e focado no nosso processo, se por ventura algo aparecesse seria por certo, o resultado da qualidade do trabalho de Todos os que me acompanham, o que me deixaria naturalmente orgulhoso.

AMBIDESTRO: Filipe até onde quer levar a sua carreira como treinador?

Filipe Pereira: O Futebol Profissional é algo que gostaria de atingir, gostaria sobretudo de me colocar à prova num alto patamar e daí reformular novos objetivos. Sei que muitos aspetos estão fora do meu domínio para alcançar essa intenção, por isso foco-me no presente e naquilo que consigo controlar: o trabalho, o processo. O resto é deixar acontecer… 

Um dia o que quero que aconteça é olhar para trás e sentir que dei tudo o que tinha para dar e que se não atingi os objetivos a que me propus, nada ficou a dever-se ao meu trabalho ou a algo que deixei de fazer, mas sim a situações que não pude controlar. Aí estarei tranquilo e por certo junto dos meus… Pois esses vão sempre lá estar para mim.

 

Estamos a terminar, sem antes lhe pedir umas respostas rápidas aos seguintes temas:

Prato favorito: Mão de Vaca com Grão (Mas como de Tudo – Sou um bom Garfo)

Música preferida: “Viva la Vida” – Cold Play

Filme favorito: “Jamaica abaixo de Zero”

Tempos livres: Neste momento com uma filha de 5 anos e um filho de 6 meses, Todo o Tempo Livre é para eles

Treinador que mais admira: José Mourinho, por tudo aquilo que conquistou e pelas portas que abriu a uma nova geração de treinadores; Pep Guardiola, pelas ideias acerca do treino e do jogo e Jurgen Klopp pela sua eloquência e empatia que consegue criar com os seus.

 

AMBIDESTRO: Em meu nome pessoal e do site O Ambidestro, agradeço a disponibilidade e a sapiência que nos passou..

Votos de um 2019 repleto de saude com muitos sucessos pessoais e desportivos.

Filipe Pereira: “Muito Obrigado pela oportunidade, Parabéns pelo Projeto de Excelência e Votos de um Grande 2019!!!”

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e dela, faz parte o futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os artistas brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente, com fair-play e....sem respeito pelo acordo ortográfico.....

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.