Marco Matias: “O momento em que o árbitro apita e sabemos que vencemos a Taça de Portugal, é surreal”

Bilhete de Identidade

Nome: Marco André da Silva Lopes Matias

Data de Nascimento: 10-05-1989 (29 anos)

Nacionalidade: Portuguesa

Peso: 67kg

Altura: 1,77m

Posição: Extremo

Clube atual: Sheffield Wednesday

Já foi o melhor marcador português da Primeira Liga, conta com uma Taça de Portugal no seu currículo e está, neste momento, a atuar em Inglaterra ao serviço do Sheffield Wednesday. O convidado da rúbrica “Entrevistas AMBIDESTRO” desta semana é Marco Matias.


AMBIDESTRO: Como te descreves enquanto jogador?

Marco Matias: Considero-me um jogador rápido, tecnicista e que trabalha muito para a equipa.

AMBIDESTRO: Efectuaste a tua formação no Sporting. No entanto, a equipa principal não a chegou a ser uma realidade para ti. Consegues apontar alguma razão para tal?

Marco Matias: Na altura, as coisas não eram tão fáceis. Não existiam tantas oportunidades como hoje em dia. Um jovem ser emprestado a uma equipa da Segunda Liga já era algo complicado de acontecer. Além disso, não existiam as equipas B, que nos dias de hoje são muito benéficas para jogadores que acabaram de sair da formação. Acredito que se hoje tivesse 18 anos, talvez tivesse uma chance de mostrar o meu valor.

AMBIDESTRO: A tua primeira época na Primeira Liga deu-se no Vitória SC já com 24 anos. Antes disso, usufruíste de diversos empréstimos a equipas de divisões secundárias. Na tua opinião, ganhaste muito com essas experiências?

Marco Matias: Claro que sim. Enquanto somos mais novos e, principalmente, formados em clubes grandes, temos tendência a achar que as coisas vão ser sempre fáceis. Que dali será sempre a subir. Passar por escalões secundários mostra-nos exactamente o oposto. Mostra-nos que a partir dali é que iremos ver se realmente conseguimos ou não.

AMBIDESTRO: Nessa época de 2012/2013, venceram a Taça de Portugal frente ao Benfica. Qual foi o sentimento vivido na altura da conquista?

Marco Matias: Não consigo explicar aquilo que senti. Aqueles minutos finais, o momento em que o árbitro apita e sabemos que vencemos a Taça de Portugal é surreal. Guardarei sempre comigo esse momento. A maneira como fomos recebidos pela cidade de Guimarães inteira é algo que irá ficar para sempre na minha memória.

Marco Matias marcou 17 golos no campeonato, ao serviço do Nacional da Madeira, em 2014/2015

AMBIDESTRO: Após mais dois anos no Vitória SC, ingressaste no Nacional da Madeira numa época em que virias a ser o melhor marcador português do campeonato. Na tua opinião, quais os factores que contribuíram para esse rendimento incrível?

Marco Matias: Em primeiro lugar, a equipa que tínhamos. Possuíamos uma união incrível. Foi o que permitiu com que saíssemos do ciclo de derrotas que vivemos em certa parte da época. Além disso, o nosso treinador nunca desistiu de nós. Puxava pela equipa de maneira calma e serena que o caracteriza. Um jogador necessita que um treinador puxe por ele e o Manuel Machado era assim. Acreditava sempre nos seus jogadores. Ficarei eternamente grato pela minha passagem pelo Nacional da Madeira.

AMBIDESTRO: A tua época fantástica não passou despercebida e o Sheffield Wednesday desembolsou 3 milhões de euros pelo teu passe. Quando soubeste do interesse do clube inglês, que pensamentos passaram pela tua cabeça?

Marco Matias: Fiquei muito feliz. Sempre foi um sonho meu jogar em Inglaterra. Conseguir isso depois da época que fiz foi a melhor recompensa que podia ter tido.

AMBIDESTRO: Quais foram as maiores dificuldades pelas quais passaste na tua adaptação?

Marco Matias: Sinceramente, acho que o idioma e o clima foram as coisas mais complicadas de ultrapassar. Não sabia absolutamente nada de inglês e por isso mesmo, a comunicação com os meus colegas de equipa teve de ser lenta e gradual. A ajuda da minha mulher foi muito preciosa na altura. Depois o facto de a temperatura ser sempre muito reduzida também me causou algumas dificuldades. Era algo ao qual não estava habituado. Lembro-me que no dia em que cheguei a Inglaterra, saí de Portugal com 30 graus e aterrei em Manchester com uns 10.

AMBIDESTRO: O que tens a dizer sobre o Championship?

Marco Matias: Gosto muito. Diz-se ser um dos campeonatos mais competitivos e concordo absolutamente com isso. As equipas são muito fortes e encontram-se quase todas ao mesmo nível. Uma equipa pode começar o campeonato em primeiro lugar e ao fim de 10 jornadas estar a meio da tabela. Todos os jogos são imprevisíveis.

AMBIDESTRO: Nas tuas duas primeiras épocas, o Sheffield esteve muito perto de alcançar a subida à Premier

O extremo português vai na sua quarta época ao serviço do Sheffield Wednesday

League, mas acabou sempre por vacilar nos playoffs. Foi muito complicado lidar com essa desilusão dois anos seguidos?

Marco Matias: Claro. Qualquer jogador sonha chegar à Premier League um dia. Termos essa possibilidade na nossa mão e depois vê-la escapar por entre os dedos é uma desilusão enorme.

AMBIDESTRO: Na segunda e na terceira época a tua utilização foi muito reduzida. Quais consideras serem as principais razões para tal ter acontecido?

Marco Matias: A principal razão foi a lesão. Fui assombrado pelo mesmo problema físico durante dois anos. Não foi fácil. Além disso, tínhamos muitos e bons jogadores que faziam a minha posição. Isso tornou o regresso à equipa ainda mais complicado.

AMBIDESTRO: No entanto, regressaste à titularidade na época atual e já levas 3 golos em 13 jogos oficiais. É esta a época em que voltaremos a ver Marco Matias no seu melhor?

Marco Matias: Eu espero que sim. Mas sem pressões. Aprendi nos últimos 3 anos que mais importante que os golos, é ter saúde física para fazer aquilo que mais gosto que é jogar futebol. Os golos ficam para segundo plano. Aliás, o mais importante é sempre o sucesso colectivo e não o individual.

AMBIDESTRO: Estás neste momento no teu último ano de contrato. Quais os planos para o futuro?

Marco Matias: Continuar a fazer o que gosto. Esses são os meus planos.

AMBIDESTRO: Um regresso a Portugal é uma possibilidade?

Marco Matias: Há sempre essa possibilidade. É o meu país, uma liga que adoro e com a qual me identifico. Além disso, não há nada como estarmos em casa.

AMBIDESTRO: E quanto à seleção nacional? Ainda sonhas com a chamada a que nunca tiveste direito?

Marco Matias: Já não sonho com isso. Quando era mais novo foi um grande desejo. Hoje em dia as prioridades já são outras.

AMBIDESTRO: Qual o maior conselho que podes dar a quem quer seguir a carreira de futebolista?

Marco Matias: Antes de tudo, nunca desistir. Depois disso, nunca achar que já se conseguiu tudo ou que já atingimos o topo. No mundo do futebol tudo muda com muita facilidade. Numa jornada somos tudo e na seguinte não somos nada. Nunca devemos dar o sucesso como garantido. Haverá sempre alguém que é melhor do que nós e que nos pode tirar o lugar quando menos esperamos. Por isso, humildade e trabalho sempre.


Fora das quatro linhas:

Prato favorito: Sushi

Marco Matias a defrontar o Sporting, seu clube do coração, ao serviço do Vitória SC

Música favorita: Um bocadinho de tudo

Filmes favoritos: Terror e românticos

Tempos livres: Ver filmes, séries, estar com a família e conhecer sítios novos

Ídolo de infância: Ronaldo (O Fenómeno)

Treinador que mais te marcou: Manuel Machado

Melhor jogador da actualidade: Cristiano Ronaldo

Melhor equipa contra quem já jogaste: Sporting (clube do coração)

Daniel Sousa

Nascido e criado na Ilha da Madeira e neste momento a estudar Ciências da Comunicação na FCSH. Com um gosto enorme pelo futebol e pela escrita, está sempre aberto a novos desafios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.