José Mourinho: de especial já não tem nada

O que se passa com o homem que já ganhou duas Champions, duas Ligas Europa e já conquistou campeonatos em Itália, Espanha, Inglaterra e Portugal?

O Manchester United ocupa o 10º posto da Premier League. O grande Manchester United está, neste momento, a meio da tabela da melhor liga do Mundo. À sua frente estão equipas como o Wolverhampton, o Watford ou o Bournemouth. Nada de especial, certo?

José Mourinho deixou ser isso mesmo, especial. O treinador português mais titulado de sempre parece estar fora de moda e vive o pior momento da sua carreira. Sem resultados, sem futebol, sem paixão, nem é Special One, nem Happy One. As conferências de imprensa caóticas, as constantes tensões internas e o discurso apoiado nas conquistas do passado estão a contribuir para a degradação de um dos maiores emblemas do futebol mundial. A questão é essa. Já deixou de ser um problema do treinador. José Mourinho conseguiu fazer da sua crise, a crise dos red devils.

A desculpa de Mourinho é sempre a mesma: investimento. O treinador português disse recentemente que a grande diferença entre o United e equipas como o Manchester City, a Juventus ou o Real Madrid é o dinheiro. Vamos lá esclarecer.

200 milhões de euros é o que se separa o Manchester United do Manchester City, campeão inglês. Recorde-se que na época passada a equipa de Old Trafford ficou colocada no segundo lugar da Premier League, a 19 pontos (!) da equipa de Pep Guardiola. Quase que parece que acabaram o campeonato em 5º. É isso que diferencia a tua equipa das outras, Mourinho? A Juventus nem no top 10 está. O que falta a esta equipa tem um nome bem claro: futebol.

O jogo atrativo e apaixonante que Mourinho nos fez habituar, já não existe. O estilo revolucionário, o novo tipo de gestão, a nova e ousada visão, o discurso rico e fresco. Passou de moda. Para voltar a ser especial, José Mourinho tem que se reinventar e adaptar-se ao jogo que é em si regenerativo e que não para de o mandar sinais. O problema? O seu enorme ego.

Estará Mourinho em contraciclo? Será que “Mou” pensava que ia ficar no topo para sempre? Se sim, enganou-se. Acho que nada era melhor que um “intervalozinho”. Respirar e pensar fora do relvado. Fazer com que os grandes jogadores queiram ser treinados por si outra vez. Fazer com que as equipas adversárias tenham respeito por si novamente.

Antes disso, o português ainda tem o desafio de colocar o Manchester United na rota das vitórias. Veremos onde chegará esta equipa, mas o fim não se prevê bonito. Espero que, para bem de Mourinho, a pobreza do presente não estrague a riqueza do passado.

Leia também: 

Ricardo Oliveira

Oriundo da mesma terra do melhor jogador do mundo, a paixão pelo futebol não podia ser maior. Atualmente a tirar a licenciatura em Ciências da Comunicação na FCSH, gosta de escrever e está sempre de braços abertos a novos projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.