Riquelme, o “Herói da Bombonera”

Nascimento: 24 de Junho de 1978

País: Argentina

Altura: 1,82

Peso: 79 kg

Posição: médio ofensivo/ médio centro

Clubes: Argentinos Juniors, Boca Juniors, Villareal

 

Juan Román Riquelme foi um médio ofensivo que jogou durante 19 anos, e grande parte da sua carreira foi feita na América do Sul, pelo Boca Juniors. As 14 épocas ao serviço do clube elevam-no ao estatuto de ícone.

 

Boca Juniors  

Juan Román Riquelme começou a carreira aos 18 anos pelo Boca Juniors, clube que viu também nascer outro astro argentino- Diego Armando Maradona.

Pelo Boca jogou desde 1996 a 2002, tendo herdado o número “10” de Maradona. Nesses primeiros seis anos, venceu duas Taças Libertadores em 2000 e 2001, e venceu ainda três campeonatos argentinos, na sua primeira passagem pelo clube.

Durante essa passagem venceu prémios como Jogador Revelação do Campeonato Argentino em 1997, Equipa da Libertadores 2000 e 2001, e Rei da América 2000 e 2001.

Fez uma exibição do outro mundo contra o Real Madrid de Figo, Makélélé, Raúl, tendo feito “gato-sapato” dos merengues. Esse foi um dos jogos mais marcantes da carreira, com o Boca a vencer por 2×1 os “galácticos” e venceu a Intercontinental, em 1999.

 

Barcelona 

A performance ao serviço do Boca Juniors não ficou indiferente aos grandes do futebol europeu, e após a grande campanha na América, seguiu-se a Europa. Na época 2002-03 rumou a Barcelona, onde se juntou a Patrick Kluivert, Puyol, Xavi, e Saviola.

Nessa temporada fez uma época estupenda, jogando 42 partidas, e marcando 6 golos. Todavia, acabou por sair apesar dessa boa temporada, muito cor culpa da concorrência com Xavi, Iniesta e mais tarde Ronaldinho, para substituí-lo como número 10.

 

Villareal 

Assim sendo, acabou por ser emprestado ao Villareal, onde passou os melhores anos da carreira, com Pellegrini no comando e fazendo dupla atacante com Diego Forlán. O “Submarino Amarelo” alcançou o histórico terceiro lugar na La Liga 2004-05, e na campanha europeia da época seguinte, onde alcançou meias-finais Champions League, tendo eliminado Manchester United e Inter de Milão.

Depois destes feitos inéditos, os adeptos do Villareal elegeram-no como o “Melhor Jogador de Sempre do Clube”.

Na temporada 2004-05, o jornal “Marca” destacou-o como o melhor jogador da Liga BBVA 2004-05 e acabou sendo o jogador com mais assistências da Liga.

 

Boca Juniors, “ o regresso”

Após alguns problemas com o seu treinador Manuel Pellegrini, Riquelme acabou sendo emprestado ao Boca Juniors, e do empréstimo transferiu-se em definitivo até 2012. Chegou em 2007 e no mesmo ano venceu a Libertadores pela terceira vez, numa final contra o Grémio. Riquelme foi eleito melhor jogador da final e marcou em ambas as finais.

Pelo Boca ainda realizou boas exibições, demonstrou bom futebol e apesar da idade já avançada, a qualidade de Riquelme era indiscutível. Na segunda passagem pelo Boca venceu dois campeonatos e uma Taça da Argentina. A nível individual, as excelentes exibições valeram-lhe a nomeação para a Equipa do Ano da Libertadores nos anos de 2007, 2008 e 2012.

Voltou ao clube que lhe deu tudo e Riquelme ajudou o Boca Juniors a vencer três Libertadores e cinco campeonatos.

 

Argentinos Juniors

Em 2014, transferiu-se para os Argentinos Juniors, clube onde se formou como futebolista. Curiosamente, este também é o clube de juventude de Diego Maradona. Nessa temporada de 2014/15  fez o seu último ano como futebolista.

 

Selecção Argentina

Riquelme representou a “albiceleste” em duas Copas Américas, uma Taça das Confederações e num Mundial.

Copa América 1999

Estreou-se em competições oficiais na Copa América 1999, em que foi titular em todos os jogos, tendo a Argentina sido eliminada pelo Brasil nos quartos-de-final. Riquelme deixou já uma boa impressão da qualidade que poderia dar à equipa , apesar dos tenros 21 anos.

Taça das Confederações 2005

Nessa prova a Argentina chegou à final, tendo perdido novamente com o Brasil na final, por 4-1.

Riquelme jogou todas as partidas (cinco jogos, e pelo meio, três golos) e acabou o torneio como o Bola de Prata da Taça das Confederações.

Mundial 2006

No Mundial da Alemanha, a Argentina apresentou-se com muita qualidade e um futebol muito apelativo, na estreia de Messi num Mundial. Riquelme fez uma grande exibição no jogo contra o México, e a Argentina acabou eliminada já nos quartos-de-final pela Alemanha.

Jogou os cinco jogos da selecção como titular indiscutível, tendo tirado o lugar no meio-campo a Aimar e a Lucho González, dois médios que passaram por Portugal.

Acabou Mundial como o Jogador com mais assistências na Campeonato  do Mundo FIFA: 2006.

Copa América 2007

Na Copa América foi novamente titular pela Argentina, jogou os cinco jogos como titular e apontou cinco golos no total.

Apesar da grande campanha que a equipa Argentina realizou, acabou por perder na final com o Brasil de Adriano, Kaka, Ronaldinho, Robinho e Júlio César.

No final da Copa 2007, recebeu o prémio Bola de Prata da Copa América, nomeado para a equipa Ideal da Copa América e Jogador com Mais Assistências.

Jogou 57 partidas e marcou 17 golos, no total de jogos pela selecção.

Miguel Matos

Fan de futebol desde míudo, coleccionador de cromos e cadernetas, gosto especial pela história do futebol. Adepto do Benfica, Inter de Milão, Arsenal e River Plate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.