Sadio Mané: “Os meus pais queriam que estudasse para me tornar professor”

Sadio Mané é peça axial no famoso tridente ofensivo do Liverpool. A velocidade, técnica e veia goleadora do senegalês, de 26 anos, fazem dele um dos principais jogadores a seguir na Premier League. O sonho de se tornar futebolista acompanhou-o desde cedo, mais propriamente desde os 5 anos, onde jogava com os amigos na aldeia rural de Bambali, no sudoeste Senegalês.

Em entrevista ao Bleacher Report, Mané explicou, no entanto, como teve de enfrentar vários obstáculos no seu percurso no mundo do futebol. Alguns desses obstáculos encontrá-los-ia Mané dentro do próprio seio familiar.

“O futebol sempre foi o meu sonho. Comecei a jogar com 5 anos e ainda continuo a jogar agora.”

Mané é o atual melhor marcador da Liga Inglesa

O pai de Sadio Mané, um Imã, era contra a ideia de ver o seu filho tornar-se jogador profissional de futebol. O extremo senegalês explicou que nasceu numa aldeia onde “nunca houve nenhum futebolista que chegasse aos principais campeonatos.” Mané conta que os pais nunca acreditaram no seu sonho, sendo altamente contra a ideia. Os pais do avançado defendiam os estudos e que ser professor seria o melhor caminho a seguir para o jovem.

“Lembro-me que, quando era pequeno, os meus pais achavam que eu devia estudar para me tornar professor. Achavam o futebol uma perda de tempo e que eu nunca teria sucesso.”

O atacante do Liverpool afirma que, já na altura, acreditava no seu talento e que o futebol seria a única profissão que permitiria ajudar os seus pais. E assim foi, de facto. Mané chegou à Europa em 2010, para representar o Metz. Seguiu-se o Red Bull Salzburg e depois o Southampton. Após duas épocas nos Saints, o Liverpool contratou os serviços do jogador.

E, pelo meio, “as pazes” com os pais foram feitas: “Eu dei tudo. Chegou a um ponto em que eles não tiveram escolha, então começaram a ajudar-me, e resultou. Hoje, estão todos muito orgulhosos.”

A velocidade é uma das principais armas do avançado

É o terceiro senegalês a representar a equipa que, na época passada, chegou à final da Liga dos Campeões. Em 77 partidas, o atacante leva 37 golos. Prevê-se mais uma época goleadora, onde o avançado já leva 4 golos em 4 partidas.

“Evoluí em muitos aspetos e estou muito feliz. Acho que ainda há espaço para melhorar, por isso vou continuar a trabalhar arduamente.”

Mas não só dentro dos relvados Mané pratica a sua magia. Em abril, doou 200 mil libras (cerca de 225 mil euros) para a construção de uma escola em Bambali. Após a derrota por 3-1 com o Real Madrid na final de Kiev na época passada, o senegalês enviou também 300 camisolas do Liverpool para a sua aldeia.

Rui Casanova

Natural de Portalegre e a residir em Lisboa, onde estuda Ciências da Comunicação na NOVA-FCSH. O Futebol está no sangue da família, e a oportunidade de escrever veio materializar a paixão pelo desporto rei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.