Santa Clara nas mãos do Conselho de Disciplina e com subida em “stand by”

O Santa Clara está nas mãos do Conselho de Disciplina, no entanto, o emblema açoriano está,  aparentemente livre de ser alvo de sanções graves, como a perda de pontos. Esta foi a proposta que saiu da Comissão de Instrutores.

Está concluída na Liga, a instrução do processo movido ao Santa Clara pela utilização irregular de jogadores. A Comissão de Instrutores da Liga (CI) propõe a penalização ao clube açoriano mediante uma multa, salvando assim os insulares de perda de pontos. O documento seguiu para o Conselho de Disciplina da FPF, organismo a quem caberá, a decisão final, ou ratificação desta proposta ou outra decisão, mais penosa para os açorianos.

Recorde-se que, o Santa Clara, nas deslocações ao União da Madeira e ao Varzim assim como, na recepção ao Gil Vicente, não utilizou pelo menos, dois jogadores com idade inferior a 23 anos, como é obrigação regulamentar. O facto foi denunciado a tempo e levou o Conselho de Disciplina a abrir um processo.

Não obstante desta situação, os insulares são alvo de um outro processo que está para ser fechado e que também está no âmbito das competências da Comissão de Instrutores da Liga. O Santa Clara indicou nas fichas de três jogos, o nome de um treinador que nem sequer estava no banco (Luís Pires, coordenador da formação), uma vez que Carlos Pinto, o treinador principal, não tinha as habilitações exigidas.

O processo está na Comissão de Instrutores, que quando o fechar após ouvir os envolvidos, irá sugerir ao Conselho de Disciplina a pena a aplicar, ainda que, a perda de pontos não esteja em cima da mesa.

O Santa Clara tem o festejo da subida à I Liga em “stand by”, sendo o Académico de Viseu, um dos principais interessados na resolução deste processo (terceiro classificado), que pode beneficiar de uma eventual perda de pontos por parte do clube açoriano, se essa for a decisão do Conselho de Disciplina.

O União da Madeira também lucrará com a situação e evita a descida de divisão, que viu acontecer na última jornada, com um golo sofrido sobre o apito final da partida diante o Cova da Piedade.

Guilherme Freire Coelho

Alfacinha apaixonado pela vida e dela, faz parte o futebol. Defendo-o como desporto, respeito-o pela vertente social e admiro-o como espectáculo. A bola, é mero instrumento para os artistas brilharem. Não escrevo sobre bola mas sim, sobre Futebol, sempre de forma transparente e com fair-play.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.