Corinthians é campeão brasileiro com três jornadas de antecedência

Foi na quinta jornada do Brasileirão de 2017, mais precisamente no dia 7 de junho, que o Corinthians assumiu a liderança do campeonato após vencer o Vasco da Gama por 5-2 fora de casa. Desde então nunca mais saiu do topo, e a vitória sobre o Fluminense por 3-1 na noite da última quarta-feira (15) confirmou o que muitos já haviam dado como certo há meses: o heptacampeonato corinthiano.

Os três pontos somados dentro de casa, no estádio de Itaquera, mantiveram a diferença para o vice-líder Grêmio em 10 pontos (71 a 61). Os gremistas haviam vencido o São Paulo mais cedo, na mesma quarta-feira, por 1-0. Com três rodadas para o fim do campeonato e nove pontos em disputa, o Corinthians oficializou o título.

Se em meados de julho já se falava com certa tranquilidade na imprensa desportiva brasileira que o Timão seria o grande vencedor do Brasileirão de 2017, o mês de outubro terminou com a pior crise da equipa no ano. Muitos adeptos inclusive admitiam a possibilidade de verem a equipa ser ultrapassada pelos arquirrivais do Palmeiras na reta final do campeonato.

Mas a partida de confirmação do título, aguardada ansiosamente pelos mais de 30 milhões de corinthianos desde o domingo anterior – quando se confirmou a possibilidade de título na jornada seguinte – não foi tão tranquila como alguns esperavam.

A história do jogo

Eram 45.775 adeptos pagantes na Arena de Itaquera para ver o Corinthians levantar a taça. Os bilhetes foram esgotados dias antes do jogo.

Mas o Corinthians entrou em campo sabendo que não levantaria o troféu naquela noite. Isso porque a Confederação Brasileira de Futebol desistiu de levar a taça para o estádio com medo de atrasar a saída dos adeptos – a partida estava marcada para as 22h no horário local, e o metro, principal via de acesso ao afastado bairro de Itaquera, fecharia às 00h30.

Logo no primeiro minuto de partida, o Corinthians sofreu mais uma vez com seu principal defeito ao longo de todo o campeonato: as cobranças de escanteio contra a própria área. Em jogada aérea, o zagueiro Henrique abriu o placar para os visitantes e espalhou a aflição entre os adeptos locais.

Ao longo de todo a primeira etapa da partida o Corinthians dominou as ações do jogo, mas não conseguia levar perigo à baliza de Diego Cavalieri (ex-Liverpool). Os primeiros 45 minutos terminaram em 1-0 e o adiamento do título.

Mas a aflição corinthiana durou pouco no segundo tempo. Quando o cronômetro apontava 50 minutos a partida já estava em 2-1 para a equipa da casa. Dois gols do artilheiro do time e do campeonato, Jô – ele estava um gol atrás de Henrique Dourado (ex-Vitória de Guimarães e atualmente no próprio Fluminense) na disputa pela artilharia do Brasileirão.

Então a euforia tomou conta do estádio. O Corinthians seguiu dominando as ações do jogo até que aos 84 minutos Jadson – que vinha em má fase e no banco de suplentes – fez o terceiro e confirmou a vitória e o título corintianos.

Antes do fim da partida, o treinador campeão Fábio Carille, que vive em 2017 sua primeira temporada à frente de uma equipa de futebol, ainda aproveitou para colocar o ídolo Danilo em campo, que estava há mais de um ano afastado por conta de uma lesão. No Corinthians desde 2010, o “Zidanilo” como é chamado pelos adeptos ainda colocou a faixa de capitão, em homenagem à sua história no clube.

Festa dos atletas

No apito final, a tradicional comemoração no centro do campo, com direito a treinador sendo jogado ao alto pelos seus comandados. O atacante Jô, revelado pelo Corinthians e que disputou a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, vive hoje sua melhor fase da carreira. Chegou aos 18 gols no campeonato e pode se tornar o primeiro artilheiro do Brasileirão a jogar pelo Corinthians.

Já o jovem lateral-esquerdo Guilherme Arana tinha lágrimas de alegria e tristeza misturadas. Ele confirmou em entrevista depois do jogo que tem uma proposta do Sevilla, e deve deixar o clube pelo qual foi revelado no fim do ano, chegando para a segunda metade da temporada europeia.

Alívio corinthiano

Com a confirmação do título o Corinthians tira um grande peso das costas. Depois de chegar a abrir 11 pontos na liderança e ver seus principais adversários admitirem que o troféu já era corinthiano mesmo antes da metade do campeonato, o Timão viu a possibilidade de ser ultrapassado ficar bem real nas últimas semanas.

O primeiro turno histórico, sem perder nenhum dos 19 jogos e com a melhor campanha desde 2003, contrastou com um desempenho muito pior na segunda metade da temporada. A seca de vitórias fez com que a vantagem para o Palmeiras, que chegou à segunda colocação, caísse para 6 pontos uma partida antes dos dois times se enfrentarem. Caso o Palmeiras vencesse, a vantagem cairia para 3 pontos.

Mas a vitória até certo ponto surpreendente do Corinthians no Derby paulista afastou as possibilidades do time protagonizar a maior queda da história do torneio.

Com o sétimo título o Corinthians passa o São Paulo e o Flamengo em número de troféus, e se transforma no maior vencedor do Campeonato Brasileiro desde que o torneio surgiu com o formato atual, em 1971.

A CBF, contudo, considera alguns torneios anteriores a essa data como campeonatos brasileiros, fazendo do Palmeiras o maior campeão da história, com 9 títulos – o último conquistado em 2016. O Santos, com oito, vem em segundo lugar.

O Corinthians confirmou também seu posto de maior campeão da década, com o terceiro título em sete anos (ganhou também em 2011 e 2015).

O título também garante ao clube paulista uma vaga na Copa Libertadores da América em 2018 já na fase de grupos. Já o Fluminense permanece estacionado com 43 pontos, apenas 4 acima da zona de rebaixamento.

Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Rafael Almeida

Rafael é brasileiro e acompanha futebol há tanto tempo que nem se lembra. Se interessa também pela política do esporte e pelas suas dimensões socio-culturais. É formado em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo e atualmente estuda jornalismo, sendo também parte da equipe de um jornal digital no Brasil, onde escreve sobre política internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.