Miguel Santos – Em busca de voos mais altos

Nome: Miguel José Oliveira Silva Santos

Data de nascimento: 21-10-1994

Naturalidade:

Peso: 85 kg

Altura: 1,94 m

Posição: Guarda-redes

 

Produto das escolas de formação do Benfica, onde cresceu depois de se ter iniciado nos quadros das águias e tendo intercalado esse percurso com passagens pelo Belenenses e Estoril, Miguel Santos, é um dos muitos jovens formados no clube da luz que está à procura de conquistar o seu lugar no futebol europeu, fora do país.

Depois de uma curta passagem pelo Port Vale, em que lhe não lhe foi proporcionado tempo de jogo e rodagem competitiva, o neto da velha glória do Benfica Artur Santos, rubricou contrato com o Fortuna Sittard, “pegou de estaca” e fez todos os encontros como titular (18 jogos) desde que chegou ao clube.

A convite do AMBIDESTRO aceitou falar um pouco do seu percurso como profissional, mas também da vida pessoal.

AMBIDESTRO – A última época foi a tua primeira aventura fora do país. Alguém te acompanhou nestas mudanças entre países?

Miguel Santos – Foi uma mudança…. sozinho. Os meus pais e empresário visitaram-me algumas vezes. Foi uma época um bocado complicada nesse sentido porque andei maior parte do tempo sozinho. Apenas tive a companhia dos colegas com quem fiz amizade, quer num, quer noutro clube.

AMBIDESTRO – Assinaste pelo Fortuna Sittard. Como descreves este clube?

Miguel Santos – Encontrei um clube bastante familiar. Pessoas a tentar recuperar o clube o máximo possível. Também cheguei ao clube com esse objetivo. De acordo com a vontade do treinador e donos do clube. Tentar ajudar o clube a sair da situação em que estava na época passada. Conseguimos isso de forma fácil e eficaz. Logo nos primeiros dois meses a descida já não era uma possibilidade.

AMBIDESTRO – Quais as principais diferenças que encontras entre o futebol holandês e o português?

Miguel Santos – Apesar de ainda não conhecer muito bem o futebol holandês o que eu sinto é que tirando as equipas grandes, os outros clubes não formam jogadores tão bons quanto isso. Creio que o futebol de formação português é de um nível muito, mas mesmo muito superior relativamente ao holandês, isto porque jogo numa liga composta maioritariamente por jogadores jovens. E creio sinceramente que nós (portugueses) temos mais qualidade e trabalhamos com mais qualidade que na Holanda. Agora também digo que encontrei um treinador com uma experiência enorme, com uma carreira invejável como jogador e estou muito feliz por jogar no Fortuna porque sinto que posso aprender muito com ele.

AMBIDESTRO – Tens o sonho de voltar ao Benfica?

Miguel Santos – É uma pergunta complicada, mas óbvio que sim. A minha vontade de regressar ao Benfica é grande. A vontade de voltar e provar a todos, e principalmente a mim mesmo que tenho capacidade para chegar à equipa principal existe e é muito grande. Contudo, não faço disso um “cavalo de batalha”. Tenho os meus objetivos, vou fazer o meu caminho por fora, e creio que um dia mais tarde na minha carreira possa acontecer. É o clube do meu coração, sem dúvida. Se tiver de acontecer, acontecerá. Vou continuar a fazer o meu trabalho, vou continuar a evoluir e talvez um dia mais tarde, quando tiver mais experiência, possa acontecer.

AMBIDESTRO – Como te descreves enquanto guarda-redes?

Miguel Santos – Acho que sou aquele guarda-redes de estilo mais tradicional, muito devido à minha estatura e composição física. Acho que tive uma boa escola e fiquei a perceber bem a posição de guarda-redes.
Sou um guarda-redes tranquilo, não sou de grandes exibicionismos. Gosto sempre de melhorar o meu jogo. Acho que tenho alguma capacidade no jogo com os pés e leio o jogo com bastante facilidade. Há sempre aspetos por melhorar. Sou tranquilo e não espalhafatoso. Acho que a minha imagem de marca é ser consistente e não de altos e baixos.

AMBIDESTRO – Quais são os teus objetivos para o futuro?

Miguel Santos – O objetivo é sempre melhorar, melhorar e subir o nível. Saí de um contexto de equipa B e estava à procura de me afirmar numa equipa principal de um clube. Consegui, graças a Deus em quatro meses, consegui. É continuar a jogar, ganhar minutos e jogos nas pernas, porque é a única maneira de adquirir experiência e conhecimento. Nesta altura a parte monetária não é importante para mim. Mas sim jogar bastante e ter a família perto de mim. E pronto, passa por jogar e ganhar o máximo conhecimento possível dos outros países. Já tenho conhecimento do português, inglês, agora estou a ganhar do holandês. E pronto, seguir a minha carreira. Jogar jogo a jogo sem me preocupar muito com o futuro.

AMBIDESTRO – Qual é o teu maior sonho no futebol? Tens o desejo de vir a jogar nalgum clube específico?

Miguel Santos – Não, o meu único desejo específico em relação a um clube é chegar à equipa principal do Benfica e poder ser o titular dessa equipa. Óbvio que gostaria de pode jogar num Real Madrid, num Bayern, num Dortmund, sei lá no Manchester United… sei lá. Acho que o que tiver que acontecer, acontecerá e logo se verá o patamar onde chegarei.

AMBIDESTRO – Daqui a 15 anos… esperas estar a fazer o quê?

Miguel Santos – Daqui a 15 anos… tenho 37. Espero sinceramente ainda poder estar a jogar. Se ainda me divertir a fazê-lo e depende da carreira que fizer. Daqui a 15 anos espero estar apenas a divertir-me a jogar futebol, seja em que nível for, e a desfrutar da companhia da minha família e dos meus amigos.

 

 

Evidenciando personalidade forte e segurança entre os postes acima da média para um guarda-redes com a sua idade, Miguel Santos, evita golos praticamente feitos com os seus reflexos, controlo espacial da baliza, agilidade e tranquilidade.

Este guardião do Fortuna é uma mais valia para a equipa na primeira fase de construção, pois possui um jogo de pés bastante bom. Com uma capacidade incrível na leitura do jogo, oferece cobertura à linha defensiva quando necessário, assim como, assume-se enquanto “quinto defesa” no bloqueio de transições ofensivas rápidas.

Um talento luso a despontar em terras holandesas. Fique atento a este nome.

 

Fora das quatro linhas:
Prato favorito: Naco na pedra
Música favorita: Propuesta Indecente – Romeo Santos
Filmes favoritos: Toda a saga 007
Tempos livres: Ver filmes, passear e jogar Ps4
Talento escondido: Cantar

Ídolo de infância: Artur Santos, meu avô e campeão Europeu pelo Benfica
Treinador mais marcante: Sunday Oliseh
Melhor jogador da atualidade: Cristiano Ronaldo
Melhor equipa que viste jogar: Barça de Pep Guardiola “tiki taka”

 

 

—————————–

Em meu nome pessoal quero agradecer a disponibilidade e simpatia do Miguel. Desejo-te as maiores felicidades pessoais e profissionais.

Junte-se a nós no facebook em AMBIDESTRO

Ricardo Rocha Cruz

Confiante, resolvido consigo mesmo e ousado. Prazer, chamo-me Ricardo Cruz. Atualmente trabalho na RTP-AÇORES. Pelo caminho ficou uma passagem de três meses pela secção de desporto do Jornal de Notícias.
Bem-vindos ao meu novo projeto. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.